sexta-feira, 21 de abril de 2017

Meu amigo Pedro

Sabe, o Pedro era um amigão, a gente trabalhou muito tempo juntos e, sempre quando chega o outono, esse friozinho chegando, eu me lembro daqueles dias. Acho que já se passaram uns quatro anos e eu ainda não acredito naquilo tudo. Você também não vai acreditar, mas... tudo bem, eu conto a história, não tem problema. 

Um dia chega o Pedro com esse papo besta, com essa ideia de que não quer mais saber de ser tão sentimental, que não vai mais se emocionar e nem se envolver com nada e nem ninguém. “To cansado dessa joça, pro inferno com isso tudo! Sentimento não tá com nada!” – ele falava. Imagina, logo de manhã, lá no escritório, com essa ideia maluca, a coisa só podia estar grave mesmo. A gente bem que tentou dissuadi-lo, até sugerimos terapia, mas não deu não. Foi piorando a cada dia. 

No começo ele simplesmente ficou mais quieto, menos opiniões, menos conversa fiada e essas coisas que a gente até entende. Depois parou de ir pro happy hour. Daí, umas duas semanas depois ele simplesmente não foi mais trabalhar. Trancou-se em seu apartamento e raramente atendia ao telefone. Eu fiquei preocupado, afinal ele estava levando aquilo tudo muito a sério. Insisti numa visita mas nada feito, ele simplesmente saiu de circulação. Nem demissão tinha pedido, o chefe ficou uma arara de bravo. 

A esperança era a Dona Nilsa que, uma vez por semana ia fazer a faxina no apartamento dele, mas ela não era daquelas muito atentas e nunca sabia falar nada sobre o cara, se tava bem, se tava mal... Ficamos definitivamente sem saber de nada do que se passava com o nosso amigo. Então, naquele mês, veio a calhar de um feriado bem no dia da faxina, e a Nilsa não foi, deixando Pedro duas semanas em completo isolamento. Alguns vizinhos, moradores dos andares abaixo, disseram que nos últimos dias antes do fatídico evento, seus passos estavam a cada dia mais evidentes, pesados, dava pra perceber o ir e vir do rapaz pelo apartamento. “A gente catucava o teto com a vassoura pra ver se ele pisava mais leve, mas nada feito” – disse a Dona Menezes do 304. 

E foi assim, num 20 de Abril, não tem como esquecer essa data, véspera de mais um feriado, a Dona Nilsa entra no apartamento pra fazer a faxina, como de costume e, quando passa pelo corredor que vai da cozinha para os quartos, tropeça numa pedra enorme largada no chão. Primeiro ela xinga, depois, solta um grito que foi ouvido por todo o Edifício Europa e, se bobear o quarteirão inteiro: “Seu Pedro!?! Peloamordedeus!!! Seu Pedro!!!” e desmaia. 

A vizinhança, assustada com o grito, chama a polícia, e o local logo vira alvo dos curiosos. A imprensa foi correndo pra lá; ligaram no escritório e todo mundo foi pra lá também. Atravessei aquele mar de gente na portaria e, por ser amigo do Pedro, me deixaram entrar no apartamento. Todo mundo com cara de bobo, ninguém acreditava, eu estava pasmo, mas, na minha frente estava aquilo lá, uma pedra, das grandes, uma pedra com a cara do Pedro! Com a cara dele, cara! Entende o que é isso? Eu não, eu não entendo.

2 comentários:

Adriana Oliveira disse...

Para Pedro, Pedro para.
Chuta essa pedra,
Se renda ao AMOR...
Afinal!
Pedro não é pedra;
Pedro é humano
Ou esse Pedro é de Pedra!?
Também não Entendo.

Shinoby disse...

Sempre a se queixar da solidão...