sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Carta a mim mesmo

Admiro a imensa cidade e toda a vida que, mesmo agora, na alta madrugada, pulsa em tantas janelas acessas, pelas infinitas ruas, até onde meus olhos podem alcançar. E, apesar dos muitos anos comungando dessa vida na alta noite, hoje, eu sou um estranho por aqui. Mas a insônia, que tem sido tão rara que nem sei mais como me comportar nessas horas, me traz aqui à mesa de trabalho. Aproveito-a, então, para escrever-te.

É verdade e notório que os tempos andam difíceis, mas tens te saído bem, não te esqueças disso. Aliás, nunca te esqueças disso. Manter o foco nos bons trabalhos enquanto o mundo desaba ao teu redor não é nada simples. Não é fácil caminhar no chão lodoso e inconstante. Mas, lembra-te, antes nem se movias; passaste a rastejar. Hoje, que caminhas, continua! Logo pisarás em terra firme e, quem sabe, mais adiante, voarás.

Para os problemas pequenos, simples, é provável que a solução esteja perto, logo ao teu alcance. Mas, para os problemas maiores, complexos, não percas tempo procurando a solução ao teu redor. Pois, para resolver questões maiores é preciso, primeiro, tornar-te maior ainda. E não sou eu quem digo. Várias das grandes mentes da humanidade diziam – não nessas palavras, é claro – que a solução para os problemas só poderiam ser encontradas no universo além do universo do próprio problema. Por isso é preciso estar sempre expandindo o próprio universo, para poder ser sempre maior do que qualquer problema te apareça e, desta forma, vencê-los com o mínimo de sofrimento.

Sim, ainda há muito a ser feito. Pelo mundo? Não. Por ti mesmo. Lembre-se que todo coletivo é um conjunto de indivíduos. E o mundo é um coletivo de indivíduos bastante distintos uns dos outros. Por isso, por maior que sejam os esforços que faças, jamais mudarás, pelo seu esforço, um centímetro do caminho de outrem. A única esfera na qual tens autoridade e força real de mudança é na tua própria esfera íntima e os únicos resultados que colherás serão em ti mesmo. Portanto, não te desgastes pelo mundo que não responde aos teus comandos, pois ele, com seu peso imenso, apenas servirá para te deixar exausto.

A responsabilidade é coletiva, mas o esforço é individual. A força que tens, usa em ti e faça com que teu exemplo inspire o próximo, que também fará por si, e assim por diante. Assim, cansa menos. Permita-te errar e, sempre humilde, repara o erro. Perdoa e deixa-te perdoar. Ama, ama muito, ama todos, ama tudo, ama sempre. Persista. Continue. Não pare. Por tudo. Por ti.


Um comentário:

Adriana Oliveira disse...

O universo desenha muitas vezes, o comando que devemos seguir, mas, não devemos esperar, só dos outros e até do Universo. Muitas vezes as expectativas do outro, reside também, em cada um de nós. Mas, ainda bem que, somo distintos uns dos outros, porem, nem em tudo. Reside em todo ser humano emoções semelhantes. beijo