sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Obrigado meu amigo, meu irmão

Deslizes na vida acontecem pelos mais variados motivos, inclusive por motivos externos, de outros convivas, que nos pregam peças e nos colocam em maus lençóis. Todos nós, imagino que sem exceção, já passamos por alguma situação difícil que a única reação foi a inércia, aquela sensação de impotência, de estarmos sozinhos, desamparados, sem condições de agir.

Nessas horas, tudo o que desejamos é que aparecesse alguém para nos ajudar, que nos estendesse a mão, nos colocasse em pé e, com um abraço e palavras tranquilas, nos acalmasse dizendo: "Fica tranquilo, eu estou aqui com você e vou te ajudar. Isso tudo vai passar. Confia em mim. Tudo vai ficar bem."

Sem a intervenção desse tipo de amigo prestativo, que nos socorre e, nos tirando da apatia, nos dá coragem e direção segura a seguir, provavelmente entraríamos numa fria, meteríamos os pés pelas mãos e, decerto, seríamos carregando um belo rol de arrependimentos por sabe-se lá quantos anos.

E, convenhamos, seria natural, que pela importância da ajuda que tal amigo deu, nos lembrássemos dele em várias situações, principalmente no seu aniversário, quando ligaríamos pra ele, enviaríamos algum presente simbolizando o afeto e a gratidão pela sua atitude.

Entendo que o Natal seja algo assim. É quando celebramos um amigo desses, um irmão, ele preferia que o chamássemos de irmão para ressaltar a estreiteza da relação que tinha com a gente. Esse irmão veio durante tempos difíceis, de barbárie, para nos dar uma ajuda, uma direção a seguir. Disse que se seguíssemos aquelas dicas, não nos daríamos tão mal da próxima vez em que enfrentássemos uma situação difícil.

Fez tanta diferença, que repetimos as suas dicas até hoje, mais de dois mil anos depois. E, se ainda estamos passando por dificuldades, mesmo depois das dicas todas dadas, imagina como estaríamos sem elas? Talvez nem haveria mais humanidade.

Mas por que ainda insistimos em negar uma mensagem de amor, compaixão, respeito, comportamento ético, disciplina, estudo, prática do bem, caridade desinteressada e amor irrestrito? A quem interessa? Parece-me que só aos orgulhosos, invejosos que, na preguiça de seguir o exemplo, que dá trabalho, preferiu desdenhar à entender, complicar à praticar. Não sejamos essas pessoas.

Sejamos razoáveis, racionais, dispamo-nos dos preconceitos, ignoremos os detalhes inúteis e foquemos na mensagem, nas dicas sobre um melhor viver, que são úteis. A grandeza da ajuda, a utilidade da mensagem deveria ter suplantado qualquer outro aspecto material, superficial sobre o mensageiro.

Se acha difícil seguir as dicas, fique tranquilo, o tal amigo continua do seu lado pra te ajudar nas tentativas e socorrer nos erros. Com a prática tudo fica cada vez mais fácil. E se, algum dia na história humana, estabelecemos o dia 25 de Dezembro para nos lembrarmos desse amigo, por que não aproveitar a ocasião? Mesmo que a data seja aleatória ou apenas simbólica, a ajuda foi real e das mais importantes. A mão foi estendida pra você, estenda sua mão de volta, segure firme, levante-se e agradeça.

Um feliz natal pra todos nós!

Um comentário:

Adriana Oliveira disse...


Jesus além de ser a verdade, o caminho e avida. Jesus é o verdadeiro Amigo do homem. Ele escuta nossas orações e como um passe de mágica, algo acontece de bom ou não para refletirmos e melhorarmos nossas atitudes e sem julgamento. Temos Amigos, isso é fato, mas Jesus é o maior r. O orgulho ainda habita no homem, porque somos seres em evolução e transformação. enfim Natal não é apenas festa e sim uma celebração junto a Jesus Sempre!