segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Metalinguagem

Além de um início intrigante, de um desenvolvimento envolvente, é fundamental, para uma boa Crônica, um final surpreendente.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Sobre a Arte de Viver


As coisas simples tem o condão de maravilhar as pessoas com muito mais força do que as complexas, pelo simples fato de terem uma beleza inesperada. A pureza da alma e uma percepção mais aguçada transformam certas pessoas em poços de "maravilhamento", e estas, geralmente, se transformam em artistas.

Alguns despertam no correr da vida, outros já nascem percebendo o mundo de outra forma, ambos dando valores a sonhos e não a títulos, salvando-se de desilusões, lembrando-se que a realidade se curva ao desejo e que, apesar de todas as pedras, pecados e mancadas, cada momento é único e sem volta, a vida é única e, mesmo errando, não há tempo pra remorso.

Viver no limite de cada emoção apresentada a cada momento, degustar todo segundo de uma existência simples, porém, complexa em sabores e cores. Saber provar, ouvir e sentir, tudo em seu tempo e sempre indo além, vendo além, infinitamente, até que no fim de tudo se possa dizer que viveu e aprendeu o real significado de estar vivo e não apenas de existir.



Resgatei este, publicado há exatos 11 anos, em 09.12.2004, no Ruminare, meu primeiríssimo blog, cuja senha e o login desapareceram nas brumas da memória para nunca mais voltar.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

A Bela contra a Fera

- Os aviões o pegaram!
- Não foram os aviões. Foi a Bela. Como sempre, a Bela matou a Fera.

Esta fala encerra as duas versões de King Kong que eu mais gosto: a de 1933 e a de 2005. As outras adaptações para cinema não chegaram aos pés destas, incluindo a mais famosa delas, de 1976, que contava com o charme do Jeff Bridges barbado e da loiríssima Jessica Lange.

"O que a gente não faz por amor?!”, eu pensava. Ainda penso... mas não sou só eu, garanto. Imagina só, você na sua ilha deserta particular, todo poderoso, domina tudo, até mesmo dinossauros e outras criaturas gigantes. Mas aí vem a beleza, a delicadeza, a suavidade... você fica vulnerável e, quando vê, não está mais no comando, se deixa pegar, embarca em qualquer aventura pra estar sempre perto dela. Quando se dá conta, já está acuado em cima de um Empire State Building da vida, tomando tiro da artilharia aérea, que só sossega quando te vê no chão, destruído. 

Sabe, olhando ao redor, com todos sempre ranzinzas, reclamando, guerreando por mixarias que achamos nos pertencer mais do que ao outro, a conclusão é lógica: somos/estamos feito Feras. Mas não como Gorilas imensos, lutando contra dinossauros furiosos, por conta de território, um naco de carne ou, bizarro que seja, uma loira charmosa. Sinceramente, acho que parecemos mais uma manada de Pinshers, minúsculos, assustados com a própria sombra, latindo um para o outro, ad infinitum, pra ver quem se assusta mais e foge primeiro.

E o que nos transformou nestes geradores de impropérios gratuitos? Neste rebanho de insolentes sem limites? Nessa manada de estressados inconsequentes? Onde é que está a nossa inteligência, cultura, capacidade evolutiva e outras coisas que nos tornam humanos? Soterradas sob a lama toxica de mineradoras inescrupulosas; enterradas em secretas valas comuns de tantos crimes sangrentos; espancadas em relacionamentos doentes; silenciadas em lares desmantelados; abandonadas em asilos mofados; esquecidas em baús empoeirados em meio a fotos da infância perdida. Realmente, acuados por tantas catástrofes, parece-me que foi inevitável chegarmos a esse ponto.

Tão deformados estamos, não notamos que somos os criadores das catástrofes, preferindo dar audiência às tragédias e assuntos vulgares, reflexos evidentes de nossa inconsequência e imaturidade. O IBOPE, o DataFolha e, agora, o Facebook, essa nova ferramenta demográfica, estão aí para não me deixar mentir.

Não é questão de nos transformarmos nos Ursinhos Carinhosos, mas é tempo de refletirmos sobre a nossa responsabilidade na informação e emoções que cultivamos, colhemos e distribuímos. Hoje, aquele mesmo diálogo que abre o texto me traz outras imagens. Ao derrotar a Fera, a Bela não a fere, mas a transforma, também, em beleza. E isso está longe de ser ruim, pois nos tornarmos belos e perfeitos é condição de humanidade, evoluir faz parte da nossa essência. Está na nossa história, nos arquétipos e nos mitos mais antigos : por mais monstruoso que seja, todo ser se rende à beleza.


sábado, 28 de novembro de 2015

Responsabilidade

Após acompanhar histórias tristes de abusos de crueldade inconcebível contra as mulheres, através da campanha #meuamigosecreto e conversar com algumas amigas e entender seus motivos - que jamais questionarei, pois existem e são sólidos - peguei-me preocupado com os desdobramentos de tal atitude que, mesmo lotado de evidentes boas intenções, não esteve livre de violência em suas manifestações.

Em tempos de vida sexual livre e desregrada, certamente cometemos muitos erros. Erros que, por sermos imaturos, não sabemos evitar ou lidar com seus desdobramento. Culpas e complexos, raiva e desespero. A pressão disso tudo dentro do coração é imensa. Mas, precisamos averiguar as formas de nos libertarmos disso sem causarmos uma outra avalanche de erros e tentarmos limpar lama com mais lama, combater o mal com o mal. 

Na vida é imprescindível responsabilidade, toda atitude gera conseqüências, enfim, não há almoço grátis. Emmanuel, inspirado pelas atitudes do Cristo, dá boas dicas sobre isso no Capítulo 26 de seu livro "Vida e Sexo", psicografado por Chico Xavier.


26. À Margem do Sexo

"Lembrai-vos daquele que julga em última instância, que vê os movimentos íntimos de cada coração e que, por conseguinte, desculpa muitas vezes as faltas que censurais, ou reprova o que relevais, porque conhece o móvel de todos os atos. Lembrai-vos de que vós, que clamais em altas vozes  anátema, tereis, quiçá, cometido faltas mais graves.” - Do item 16, do Cap. X, de "O Evangelho Segundo o Espiritismo". 


Companheiros da Terra, à frente de todas as complicações e problemas do sexo, abstende-vos de censura e condenação. Todos nós – os Espíritos em aperfeiçoamento nos climas do Planeta – estamos emergindo de passado multimilenar, em que as tramas da alma se entreteciam em labirintos de sombra, para que as bênçãos do aprendizado se nos fixassem no espírito. Ainda assim, achamo-nos todos muito longe da meta por alcançar. 

Se alguém vos parece cair, sob enganos do sentimento, silenciai e esperai! Se alguém se vos afigura tombar em delinqüência, por desvarios do coração, esperai e silenciai!... Sobretudo, compadeçamo-nos uns dos outros, porque, por enquanto, nenhum de nós consegue conhecer-se tão exatamente, a ponto de saber hoje qual o tamanho da experiência afetiva que nos aguarda amanhã. 

Calai os vossos possíveis libelos, ante as supostas culpas alheias, porquanto nenhum de nós, por agora, é capaz de medir a parte de responsabilidade que nos compete a cada um nas irreflexões e desequilíbrios dos outros. Somos todos peças integrantes de uma só família, operando em dois mundos, simultaneamente - aquele das inteligências corporificadas no plano físico e aquele outro das inteligências desencarnadas que se domiciliam nas regiões da mesma Terra que habitais, disputando convosco, tanto quanto igualmente entre si, a aquisição de recursos substanciais da evolução. 

Não dispomos de recursos para examinar as consciências alheias e cada um de nós, ante a Sabedoria Divina, é um caso particular, em matéria de amor, reclamando compreensão. À vista disso, muitos de nossos erros imaginários no mundo são caminhos certos para o bem, ao passo que muitos de nossos acertos hipotéticos são trilhas para o mal de que nos desvencilharemos, um dia!

Abençoai e amai sempre. Diante de toda e qualquer desarmonia do mundo afetivo, seja com quem for e como for, colocai-vos, em pensamento, no lugar dos acusados, analisando as vossas tendências mais íntimas e, após verificardes se estais em condições de censurar alguém, escutai, no âmago da consciência, o apelo inolvidável do Cristo: 

“Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei”.


quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Frankenstamos

Li o Frankenstein [Mary Shelley, 1831] no logínquo ano de 1999, século passado, durante a faculdade de Direito. Afinal, era – e sempre será – impossível ter uma rotina de leitura exclusivamente jurídica. Lembro-me que a leitura foi deliciosa e leve, apesar do tema sombrio, a narrativa e as ideias que ela despertava eram muito boas.

Comumente, usa-se o "mito do Frankenstein" nos debates entre religião e ciência, nas questões éticas médicas e necrológicas, ou, ainda, nas discussões psicológicas sobre preconceitos, das mais profundas às mais epiteliais, no estilo: quem vê cara, não vê coração. Mas, basicamente, foram muitas dessas questões, em voga no início do Sec. XIX, que levaram a autora a criar a história. Eu também pensava assim, até conhecer o Orlando.

Orlando é um desses livreiros que ficam na rua, com seus livros alinhados nas calçadas e muros. Enquanto eu examinava os livros, ele contou que veio de bicicleta, de Salvador à São Paulo, no início dos anos 70, atrás de um sonho. Mas está indo embora da cidade porque, depois de mais de 30 anos, não havia mais nada daquele sonho em sua vida, e ele não se reconhecia mais na sua história. Por isso era seu último dia naquele ponto e que, ao sair, levaria só duas caixas com livros que poderiam lhe dar algum dinheiro a mais lá na Bahia e deixaria o restante na rua, pra quem quisesse pegar. Me deu um livro de presente e eu lhe dei os dez reais que tinha no bolso, pra ajudar na passagem ou no que ele quisesse. Certamente ele precisaria mais do que eu.

Em meio àqueles livros todos, estava uma edição do Frankenstein, tradução do Ruy Castro que, junto com a história do Orlando, me levou a uma nova reflexão: O quanto de nós não é nosso? Pernas torneadas; braços musculosos; sonhos e obrigações; o quanto dos outros, que não combina com o que realmente somos, vamos adicionando e carregando, sem perceber a criatura disforme que nos tornamos? A ausência de amor próprio seria por que, ao olharmos no espelho, só vemos um monstro? Será que estamos nos perseguindo e nos autodestruindo por não nos reconhecermos mais? Nesse caso, somos todos os personagens do livro em um só : o Dr. Frankenstein, cientista e criador do monstro; o monstro; e a população que, assustada, persegue e quer destruir o monstro.

Até quando, pela desatenção à nossa essência, passaremos a vida nos deformando e nos aniquilando, ou nos deixando aniquilar por quem nos vê como monstros? Ora, é evidente que todos nós, monstros ou não, só queremos dar e receber amor nas suas mais variadas formas. Precisamos nos conhecer melhor e evitar nos tornarmos um Frankenstein de retalhos equivocados. O Orlando demorou pra perceber que o peso extra que carregava era dos adendos estranhos costurados à sua alma e, ao perceber, se despojou deles e foi atrás de se reencontrar, e ainda quer escrever um livro com suas memórias! E foi mesmo. No fim da tarde, estavam apenas os livros pela calçada e uma folha de sulfite na parede, onde se lia : Sirva-se.


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Poema em Prosa


És tão aconchegante que qualquer idéia de deixar-te parece mais martírio à redenção.

Tens algo de oásis no deserto inóspito do teu ser (que mostras).

Tens calma e pudor, e ira e ódio. E magias de desmanchar tempo e espaço.

Se tens tanto e tão pouco tenho, sequer lucidez, dai-me que seja a tua treva, a tua prisão; ou me receba no oásis do coração, e deixe que eu enfeite teu ócio mágico.



Umuarama, Paraná, Verão de 2000

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Soneto Continente

A Augusto dos Anjos


Ao ver-me relutante e imanifesto
Aos prazeres que, supunha, eu sentia
Chamar-me-ia de louco inconfesso
Em cujas veias corre anestesia

Mas, oculto, sob largas, fundas crostas
Há furioso vulcão que não se mostra
A derreter-me a casa da razão
A fumegar-me, a lava, o coração

Tal qual velho, seguro continente
Por eras desbastado, fiz-me forte
Enclausuro, fundas, as vis torrentes

Sou planeta que, ao longe, crê-se inerte
Mas funde vida, calma e docemente
Sobre a força e o caos da endosfera ardente


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Lúcia

Fui à Cruzeiro do Oeste, no Paraná, minha terra natal, e passei em frente ao Educandário Nossa Senhora de Fátima, também chamado, pelos íntimos, de Colégio das Irmãs. Obviamente um colégio de freiras, católico. Foi ali que entre 1986 e 1988 cursei a Pré-Escola, o Primeiro e o Segundo ano do que, naquele tempo, chamávamos de Primário. Dentre um trilhão de coisas, sensações, cheiros e sentimentos despertados, me lembrei da Lúcia.

Lúcia era a menor aluna da sala; bem magra; cabelos loiros, meio sebosos e desarrumados; de pele sempre corada de sol e com uns riscos de terra nas bochechas, às vezes na testa, às vezes nos dois; tinha os olhos verdes - talvez os primeiros olhos verdes que vi na vida – para os quais quase nunca olhava, pois ela passava a maior parte do tempo dormindo na aula, e como era natural meninos e meninas não se misturassem no "recreio", conversávamos pouco, se é que conversamos algum dia. Não lembro se foi no primeiro, no segundo, ou nos dois anos que estudamos juntos, só sei que isto está na minha memória há quase 30 anos.

As aulas começavam às oito da manhã, e até perto do recreio, umas nove e meia, só se viam os cabelos da Lúcia esparramados na carteira, cobrindo seu rosto, enquanto dormia. Era assim todos os dias, e eu ficava pensando no tanto de aula que ela estava perdendo. Às vezes, eu a invejava quando era eu quem estava morrendo de sono e a professora não me deixava dormir daquele jeito.

Não lembro se foi a Tia Terezinha, do primeiro ano, ou a Tia Hilda, do segundo que, quando próximos da hora do recreio, acordou a Lúcia com bastante delicadeza e pediu, cochichando em seu ouvido, pra que ela fosse lavar o rosto. Quando Lúcia saiu da sala, a professora disse: "Tadinha, ajuda os pais, na roça, todos os dias antes de vir pra aula..."

Senti uma mistura de culpa com alívio, entendi porquê ela podia dormir na aula e eu não. Percebi o quão sortudo eu era, por não ter que acordar todos os dias às três da manhã para ajudar meus pais na roça antes da aula – foi o que me disseram, mais tarde, era a rotina dos "boia-frias". Me ocorreu, pela primeira vez, que as vidas dos outros podem ser muito diferentes da minha. É claro que tudo isso aconteceu com uma profundidade de uma poça d´água na minha mente infantil, mas foi marcante.

Não dominava os conceitos, mas o sentimento e o exemplo foram gravados em mim. Por isso foi fácil entender, durante a faculdade de Direito, a Isonomia de Aristóteles, que diz: "devemos tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na medida de sua desigualdade"; ou aquela palestra espírita na qual diziam que "não devemos julgar os outros, pois não sabemos a batalha diária de cada um, das limitações que tem e o peso que carrega no coração". Foi só me lembrar da Lúcia.

Em 1989, me mudei de cidade e nunca mais soube daquela amiguinha, mas espero que ela tenha conseguido, de alguma forma, ser feliz. Muito obrigado, Lúcia e professora, os seus pequenos, mas pertinentes exemplos, ainda fazem toda a diferença.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

O único caminho

Neste domingo que passou, um amigo tentou suicídio. Foi a terceira vez, neste semestre que lidei com esse traço assustador da realidade que é o suicídio. Os três em Umuarama, cidade onde cresci, e cujo ritmo está longe da desumanidade e dos altos e baixos chocantes daqui de São Paulo, onde moro atualmente. E, em cada um dos três, um desfecho diferente: esta última, uma tentativa que não se concretizou; numa outra, a pessoa mudou de ideia antes de agir; e uma terceira, a qual, infelizmente, foi bem sucedida. 

Dar fim à própria vida, encerrar bruscamente uma história. Impossível medir o desespero ou os motivos exatos que levam alguém extinguir-se, mas, os muitos motivos que existem, talvez se encontrem num sentimento comum, comum a todos nós, inclusive. Afinal, todos já nos sentimos sem esperança em algum momento da vida. O desespero ao olharmos ao nosso redor e nos vermos solitários, ou ao olhamos pra nosso interior, estarmos vazios e encontrar só um abismo infinito de anseios que, apesar da constante busca, nunca são saciados; paralisamos quando somos massacrados pela realidade tão diferente do que sonhamos ela, ou nós, fossemos; enfim, são incontáveis os motivos que nos fazem desistir de nós mesmos, perder a confiança na nossa capacidade de nos realizarmos dia após dia e vivermos bem.

A Organização Mundial da Saúde diz que a cada 40 segundos uma pessoa se suicida no mundo. Não se pode ficar tranquilo com um dado desses. Está aí um sintoma de uma realidade terrível que criamos, onde, a cada 40 segundos, alguém se sente cansado demais para dar o próximo passo rumo à felicidade. É um alerta de que estamos tentando matar a fome de nossas almas com o alimento errado. Tentamos nutrir nosso espírito com o materialismo que, incompatível com a fome age feito um ácido, nos correndo e aumentando o rombo o quanto mais o ingerimos.

Fica claro que negar a existência uma dimensão espiritual, que nos completa e dá apoio, está gerando um mundo sem esperança e enganosamente sem sentido. E isso afeta a todos nós, não necessariamente muito tristes ou em estado de calamidade. Nós também, em nossos dias comuns das nossas vidas comuns, entediados, em busca de nos sentirmos vivos, nos arriscamos na inconsequência diária dos entorpecentes naturais ou químicos. E essa fuga constante de nós mesmos, por ser impossível, só gera mais angustia e necessidades maiores de entorpecimento, com nossas doses diárias de veneno que, a longo prazo se tornam litros.

Ora, se pra tudo do universo existe uma contrapartida, não se pode mais ignorar as faces opostas, porém complementares da existência. É tempo de aceitarmos a dualidade da vida em todos os seus aspectos. Há momentos bons e momentos ruins; se há o concreto, há, também, o abstrato; se há o corpo, há, também o espírito, e os dois precisam de alimento e cuidados específicos. Assim como o dia só se considera completo pela chegada da noite; só contemplamos a real alegria quando experimentamos sua opositora, a tristeza; só valorizamos realmente o sucesso quando provamos do insucesso; até mesmo a própria completude só se torna absoluta pela existência das ausências em contraponto.

Sei que muitas vezes é difícil de perceber, mas existir nunca é um ato vazio, mas uma experiência completa por si só, riquíssima de estímulos e méritos e, é claro, dificuldades e deméritos. É certo que a busca por um sentido na vida nunca chegará ao fim, pois nós, finitos, nunca conseguiremos abarcar o infinito dentro de nós; então, se a fome da alma nunca será aplacada, ao menos podemos escolher os melhores alimentos, os melhores pensamentos, as melhores atitudes, para que não nos envenenemos, sempre respeitando a vida, a nós mesmos e à dinâmica do Universo. Quando se vislumbra o infinito, o amor se torna o único motivo, e viver, o único caminho.


terça-feira, 27 de outubro de 2015

Jardinagem



Escrita e jardinagem são exercício de paciência. Ambas demandam observação atenta e aplicação estética com o fim de ajudar a criatura cuidada a manifestar o máximo de suas potencialidades, entre tudo o que já veio programado pela semente.

Dos menores arbustos às maiores árvores, do haikai aos romances épicos, a complexidade, a delicadeza e a densidade de um texto varia muito, como varia a flora por toda a biosfera, a ponto de não a conhecermos por completo. Portanto, também é muito variado o método de cultivo e cuidados para cada espécime, o que nunca afasta a atenção e a técnica, inata ou adquirida, no trato do jardim.

Plantar, regar, podar, levar ao sol. Assistir crescer, deixar dormir, esperar pra ver se no dia seguinte a muda pegou melhor. Folhas, palavras, ramos, frases, terra, mente e papel que, após golpes de caneta, tesoura, regador, borracha, pá e cursor, vão do vaso dos rascunhos ao jardim, para admiração do público, publicadas.

Como paciente jardineiro, ser escritor é se revestir da lida cuidadosa e constante sobre suas criaturas. Quanto mais atento, mais notará necessidades de nova poda e cuidados adicionais. O 'mistério da fé' dessas profissões irmãs é conseguir perceber a cria madura para defender-se e responder ao ambiente sem ser manipulada por nós e, então, nos afastarmos dela para vê-la interagir na paisagem. Constantemente haverão chamados para nova aparagem, um texto publicado pode ser revisitado ilimitadas vezes, pois ele é vivo como uma planta, se expande em novos ramos, gera sementes e novas mudas para que, com elas, se continue o ciclo, fazendo ainda melhor o que já se fez nas várias experiências passadas. E, por isso, semeamos sempre.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Chuveiro, não faça assim comigo!

Incrível como, durante o banho, as melhores ideias aparecem. E é mais incrível ainda a forma que elas desaparecem assim que começamos a nos secar. Dá a impressão de que ao esfregarmos a toalha na cabeça nos as espirramos fora da cachola pra nunca mais voltarem. Tem algumas que, literalmente, vão pelo ralo e sequer esperam você desligar o chuveiro para se dissolverem completamente, escorrendo corpo afora, junto com o sabão e a sujeira, desaparecendo esgoto adentro.

Diz a Bíblia que Deus, quando criou o mundo, pairava entre as águas. E até que faz bastante sentido imaginar Deus, no seu chuveiro Big Banho Cósmico, entre as águas, tendo ideias geniais e, bem... estamos nós aqui. A diferença é que Ele, perfeito, consegue transpor a barreira do Box Celestial e executar seu plano. Nós, ainda não.

Me intriga o que faz uma simples chuveirada se transformar nessa chuva de ideias, nesse criadouro de gênios. Vários estudos dizem que as melhores ideias saem mais fácil de quem tem local de trabalho bagunçado do que de pessoas muito organizadas, que sofrem mais pra parir ideias. E, em geral, banheiros são lugares organizados. O shampoo vai estar sempre ali, ao lado do condicionador; o sabonete, que muda de cor de vez em quando, sempre estará na saboneteira; as toalhas mudam de cor também, mas estão sempre no lugar de toalhas. É um lugar tão monótono que ninguém vai lá passar um tempo, vai só quando realmente precisa. Exceto, pelo jeito, as boas ideias.

Aqui em casa os azulejos são brancos, o que deixa tudo mais chato ainda. Mas existem aqueles azulejos com padrões variados, nos quais podemos ficar imaginando centenas de coisas desenhadas entre uma lavada no sovaco e um enxágue de cabelo. Mas eles não aumentam a criatividade. Já tive boas ideias nos dois ambientes, comprovando-se, então, a não influência dos padrões morfológicos do revestimento cerâmico na geração de novas conexões neurológicas ou sinapses dotadas de significação pertinente na vivência do sujeito. Só pra tirar uma onda de científico.

Mas eu poderia tirar uma onda conspiratória, veja bem: considerando que a França tem mais cientistas renomados e prêmios Nobel que o Brasil, será que eles tomam mais banhos do que a gente e inventaram essa história de "banho só no sábado" pra nos enganar e nos passar pra trás na indústria da inovação? Se prestarmos atenção, os outros europeus e os americanos do norte também não são muito chegados num banho e vivem de vender suas ideias pro mundo. Acho que estamos sendo enganados! E, ora, com essa crise hídrica, a gente pode pensar em tirar isso à limpo... bem, talvez nem tão limpo... meio sujinho, e tal, mas a chance tá aí.

Parece que é só durante o banho, sem ter onde tomar notas, com água escorrendo da cabeça aos pés, a mente fica tranquila para criar. O que não se repete no sofá, na escrivaninha ou na hora do café. Deveria! Pois, olha, foi difícil evitar que, junto com a água e o sabão, também fosse pro ralo a bela ideia de crônica que eu tive pra hoje.

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Filme : Que Horas Ela Volta [2015, Anna Muylaert]



Uma certa angústia diária tem nos tomado o coração e nos transformado em prisioneiros sabe-se lá de que. Mas o que são e de onde vêm estas grades e algozes que nos afligem?

Assisti ao filme Que Horas Ela Volta, no qual Regina Casé interpreta a Val, uma empregada doméstica, daquelas que mora na casa dos patrões. Seria apenas mais uma produção nacional criticando a cultura elitista e marginalizante do Brasil, mas o jeito sutil e leve com que os temas surgem demonstrou o cuidado da diretora em não fazer apenas mais um filme que choca a audiência sem conseguir provocar uma reflexão válida.

Eu não iria resenhar o filme, mas à partir do momento no qual a história começa a caminhar para a resolução, entendi um recado que, talvez, nem fizesse parte dos planos da diretora: neste filme todos são vilões. Todos são vilões para os outros, é claro, e para si mesmos, martirizando-se sem perceber. Então, além da crítica social, descortinava-se uma mensagem de busca pela verdade íntima de cada pessoa, de equalizar-se consigo mesmo e com a vida, para minimizar os sofrimentos e embarcar numa existência mais leve e tranquila. Minha busca pessoal estava na tela.

Em cada personagem fica evidente um traço psicológico dominante que, ao sobressair dos outros causa o mal-estar em que vivem. Bárbara, é a mãe, orgulhosa e vaidosa; Carlos é o pai, sonhador, melancólico por não ter se realizado, beira a loucura; Fabinho é o filho, a inconsequência juvenil, a abençoada ignorância dos mecanismos da universo; e, por fim, temos Val, a empregada, como personagem principal, que de tão humilde é subserviente e sem amor próprio. Todos cegos de sua condição e dependentes um do outro, cada um puxando o peixe pro seu lado e mantendo esse sistema doente em equilíbrio.

Vivem confortáveis até chegada de Jéssica, filha da Val que, por ser vaidosa, sonhadora e jovem, consegue conversar com todos, de igual pra igual. Mas, por não ser muito humilde, não o dialoga com a própria mãe. Quando se agrega ao sistema de relações da casa, Jéssica e o desarmoniza e derruba, mas graças a isso, permite que sua mãe, ao tentar restabelecer a ordem à qual dedicou a vida, se reencontre.

Através de vários acontecimentos da história, Val percebe que também pode comandar a própria vida, ultrapassar alguns limites, querer algo mais, coisa impensável antes da chegada da filha. E a angústia se resolve quando ela, após o caos, equaliza todos os caracteres de si mesma, sem excessos e pelo amor. Ela dilui sua humildade e subserviência em pitadas do orgulho próprio de Bárbara, algumas doses da inconsequência juvenil de Fabinho e volta a sonhar os próprios sonhos como Carlos.

E foi assim que, despretensiosamente, Val respondeu a questão do início desse texto, mostrando que nós mesmos criamos nossas prisões e algozes ao nos desconectarmos de nós mesmos. Fugimos da nossa essência, ignoramos nossos sonhos e necessidades em detrimento de preconceitos, medos e necessidades sociais questionáveis. Por isso que, ao final do filme, estávamos Val e eu, ambos com os olhos marejados e o mesmo sorriso de esperança no amanhã, enquanto as luzes do cinema se acendiam.

domingo, 4 de outubro de 2015

Sintonia

"O Universo é uma melodia entoada no compasso."
Haroldo Dutra Dias


Acredito que tudo o que acontece em grande escala no Universo pode ser replicado, em menor escala, nos elementos que o compõe e, para exemplificar isso, domingo passado publiquei um texto comparando o ciclo das estações do ano com o ciclo de vida de um ser humano. Como se as coisas todas fossem o mecanismo de um relógio, com discos de engrenagens maiores, girando mais devagar, e discos de engrenagens menores, girando mais lentamente, algumas até mesmo replicando o ritmo de outra de tamanho diferente. Ou seja, tudo, sem exceção, está conectado; tudo tem seu tempo, cada coisa no seu ritmo, movimentando o mecanismo infinito que é o Universo.

A preocupação que me desperta o tema, já há algum tempo, é o quanto estamos gradualmente nos desconectando desse mecanismo. E não posso duvidar que grande parte da nossa angústia, senão toda ela, é causada por esse nosso distanciamento da cadencia universal. Estamos fora do ritmo, tropeçando na harmonia cósmica. Os sinais não são poucos e estão aí pra quem se dispor enxergar.

Interessante que dias após de publicado o texto, fui surpreendido pela seguinte aula dos estudos do Livro de Gênesis, do Antigo Testamento Bíblico, que acompanho. Nada mais do que a expansão e esclarecimentos a respeito dos infinitos ciclos que se complementam e se espelham no Universo. Senti-me em sintonia, o que é bastante pertinente quando o tema proposto é sintonizar-se com o Cosmo.

Enfim, sem muita delonga, deixo os dois vídeos recebidos nesta última semana, nos quais o iluminado Haroldo Dutra Dias consegue expandir de forma deliciosa e didática a ideia que apenas consegui propor, e de forma muito rasa, no último domingo.





Caso você tenha sobrevivido ao primeiro vídeo e continua curioso sobre o assunto, tem mais esse aqui, de 20 minutos, complementando a ideia e abordando o assunto à partir de uma visão mais pro lado da Doutrina Espírita.




E continua na aula 26 (atualizado em 22/10/2015):




Também existe essa aula mais antiga, sobre o Livro Levítico, gravada no ano passado, que também desenvolve o assunto. (atualizado em 22/10/2015):



E continua (atualizado em 28/10/2015):



Fechando o raciocínio, com argumentos, em sua maioria, espíritas, esta última aula, que insere e localiza nosso pequeno ciclo humano num ciclo muito maior, de muitos milhões de anos (atualizado em 09/11/2015).




domingo, 27 de setembro de 2015

As 12 Estações

Nesta quarta-feira, dia 23, começou a Primavera e não resisti, coloquei o Vivaldi, na vitrola. Entre as suas "Quatro Estações", conjunto de quatro concertos que descrevem musicalmente, cada um, uma estação do ano, existe uma bela imagem musical da primavera.

Minha versão preferida destes concertos está no álbum Eight Seasons (Oito Estações), no qual também estão as Quatro Estações Portenhas, do mestre Astor Piazzolla. Excelente trabalho do violinista e maestro Gidon Kremer e sua orquestra de câmara, a Kremerata Báltica. Execução e sonoridade perfeitas.

Interessante perceber que tanto para Vivaldi do sec. XVIII, quanto para o Piazzolla do sec. XX, cada estação desperta o mesmo tipo de sentimentos, muito bem musicados, inclusive. Talvez por causa da universalidade dos sistemas da natureza, da invariabilidade dos ciclos naturais e essas coisas que a ciência sempre observou. Ora, se fazemos parte do mesmo sistema universal, a primavera, o verão, o outono e o inverno seriam, para a natureza, o mesmo que o nascer, crescer, envelhecer e morrer são para nós humanos. Foi assim que cheguei nas outras 4 estações, que completam as 12 do título: as quatro estações humanas.

Se a vida começa na fecundação, a primavera é a mãe fecunda, espalhando a vida. É gestação e nascimento. Quando os brotos se tornam flor e mostram suas cores ao mundo, prontos para os primeiros passos da jornada. É a infância de tudo, é vida nova pulsando alegre em todo canto, crescendo para enfrentar a próxima estação.

O verão, tempo pleno de energia, quando o sol e a vida estão em sua potência máxima. É juventude, aprendizado, luta e sobrevivência em meio a tanta abundância de sentidos e caminhos. Tudo brilha, tudo chama urgentemente, inclusive a irresponsabilidade.

Não tarda vir outono, quando a beleza é sutil. As folhas, adornos, agora secas e enrugadas, caem. A energia não é mais tanta, as cores e sabores não são mais tantos. É preciso saber escolher e economizar, é preciso ser maduro e ponderado, adulto. Hora de acertar as contas e perceber que o ciclo está perto do fim.

Chega o inverno com as noites mais longas e os dias mais frios. Menos luz, já não resta mais tanta vida, os frutos há muito já se desprenderam dos galhos, espalhando as sementes e a herança. Que germinem em terra boa para que a linhagem prossiga. Em breve, apenas lembrança da potência que existiu, galhos secos, nossos ossos.

Mas no ciclo infinito das estações também está a mensagem de esperança da Universo: se tudo é feito pra renascer, e em cada novo ciclo, a vida retorna à dança com a Primavera. Renasçamos com ela! Se o ciclo dos dias que, como as estações, vai da manhã das possibilidades à noite da exaustão, podemos renascer diariamente. Se o cosmos do qual fazemos parte permite tantas “mortes” e “vidas”, certamente nos cabem as mesmas oportunidades de renovação. Só é preciso que queiramos, que nos religuemos à essência universal e nos façamos melhores em cada renascer.


Aproveite para ouvir :

As Quatro Estações Portenhas, de Astor Piazzolla
(versão do álbum Eight Seasons, de Gidon Kremer e Kremerata Baltica)




As Quatro Estações, de Antonio Vivaldi
(não é a versão do Gidon Kremer, mas tá bonita também)

domingo, 20 de setembro de 2015

Reflexões aos Domingos

Este texto inaugura uma série que será publicada apenas aos domingos (o que não significa todos os domingos). Serão minhas reflexões e conclusões resultantes de alguns estudos sobre o Espiritismo, a Bíblia, a Filosofia e espiritualidades. Estes estudos, e a prática diária do aprendido, estão me ajudando a melhorar a qualidade da minha vida, por isso sinto essa vontade de compartilhar minhas descobertas e dúvidas com quem também se interessa nessa busca de uma equalização de si com o Universo. Talvez, não coincidentemente, tenho encontrado e conversado bastante com muitos amigos que dividem as mesmas preocupações, dúvidas e vontades. Então, acho que essa é uma forma de manter a minha conversa com esses amigos sem atrapalhar o ritmo literário do Lobservando (assim espero!).

Que fique claro: passo longe de querer solucionar as grande dúvidas filosóficas que acompanham a humanidade por toda sua história, e há anos-luz de querer criar uma síntese perfeita e cientificamente irrefutável de argumentos. A intenção é apenas, humildemente, plantar as poucas melhores sementes que me cabem para uma melhor colheita que, mesmo minúscula, não me desanimará do cultivo. Acredito, cada vez mais, que na vida a qualidade é preferida à quantidade, e seu puder ajudar uma pessoa sequer, além de mim mesmo, já posso considerar o esforço mais do que válido.

Que haja força para suportar as provas e sabedoria para aprender as lições.

O Melhor 7 de Setembro

Nos meus 35 anos de vida, nunca presenciei um 7 de Setembro tão melancólico e distante das imagens que guardo na memória, das várias vezes que o brasileiro, orgulhoso, celebrava a pátria pelas ruas.

Toda a melancolia gerou páginas de anotações, julgamentos, generalizações e preconceitos que nada fariam para a construção do texto que inicialmente eu me propunha. Queria pacificar a alma e, como nos outros anos todos, orgulhar-me da Pátria que me acolhe. Queria um texto útil.

Quando me vi refletido no espelho da razão, veio-me à mente a frase de um antigo sábio: "Aquele que não tiver pecado, atire a primeira pedra" e, depois, a segunda chave para minhas questões: "Não faça ao outro o que não queres que te façam". Esta última é uma das regras de ouro de Confúcio (551 - 479 a.C), muito utilizada por Jesus Cristo (0 - 33 d.C), autor da primeira frase que citei. Se o teor das minhas anotações era o pedido pela Justiça, Honestidade e fim da Hipocrisia, eu não deveria, ao pedir, ser injusto em julgar sem conhecer; desonesto ao me isentar das minhas responsabilidades e hipócrita ao me considerar perfeito.

Eu estava exigindo honestidade, probidade, respeito e outras tantas coisas, mesmo tendo eu sido, muitas vezes, desonesto, improbo, preconceituoso e inconsequente com meus atos. Um ser notoriamente imperfeito cobrando perfeição de seres também imperfeitos. Que autoridade moral eu tenho para agir de forma tão injustiça? Restou-me o envergonhado exame do meu orgulho e vaidade.

Finalmente me enxerguei, mudei minha relação com tudo: país, povo e governantes. De um ilusório ser perfeito e "inoxidável" – como diria um criativo compatriota –, passei a um realista igual, fraco e falível frente paixões e vícios, carcomido pela ferrugem do ego, como somos todos os seres humanos.

Mudar a si mesmo já é esforço enorme, mas certo de que sou o único ser o qual posso efetivamente mudar, ficou evidente a desnecessidade do desgaste e lutas extras para se mudar os outros à força. Se a nação é um conjunto de indivíduos, a diferença no todo só se fará pessoa a pessoa.

Sobre os nossos líderes, não posso garantir que não erraria tanto ou mais se estivesse em seus lugares. Mas, se cabe exclusivamente a mim o exame da minha consciência e a lide com a culpa dos meus atos, cabe a eles fazer o mesmo. E da mesma forma em que nas situações difíceis eu preciso de ajuda para perceber o erro, me levantar da lama e repará-lo, eles também precisam. Desconheço as guerras internas que cada um enfrenta diariamente. Por isso não serei eu quem tornará ainda mais pesado o imenso fardo que eles já carregam em suas próprias consciências, assim como não gostaria de ter alguém que multiplicasse o peso do meu. Pelo contrário, agradeço as lições, exemplos e reflexões que me trouxeram e me tornaram uma pessoa melhor nesse Dia da Pátria.

Inocentes ou culpados, não me cabe julgar. Confio na justiça humana e, ainda mais, na de Deus. Se quero um Brasil melhor, serei eu, antes de tudo, um melhor brasileiro.


segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Soneto à Incompletude

Te encontrava em mim e me bastava
Era são e bom meu pensamento
Da minha alma, eras o alimento
E, por eras, foste a mim tão cara

Pois, se minha, já não mais buscava
Me julgava, então, um ser completo
Não supunha o que me reservava
No futuro, a marcha do Universo

Deparei-me contigo apartada
de mim. Desvelou-se a realidade
Não foste, do meu ser, retirada
Jamais te possuí, na verdade

Eu, incompleto me percebia
Sentia, sem ti, não mais vivia

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Prosseguir

Durante a queda, saber cair
E encontrar chão firme pra ficar em pé
Se no escuro da vida, armar-se da fé
Pra candeia da alma se fazer luzir

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Filme : Neruda - Fugitivo [2014, Manuel Basoalto]



Memórias. Cheiros, sabores, cores e texturas, a vida está guardada aí. É o que nos constrói, é o que, somado, somos. E quanto mais próximos da infância voltamos, mas próximos chegamos da nossa alma pura, da nossa essência, escondida sob cascas e mais cascas de vida vivida, gasta e endurecida.

Zigmund Freud, com sua Psicanálise, já nos atentava que olhar para o nosso passado, não é só olhar pra trás, é olhar para dentro e para o fundo, é reencontrar-nos nus e castos, curiosos e impressionáveis. É autoentendimento, oportunidade de resgatar verdades e sonhos, de nos realinharmos com a pureza original e com quem realmente somos. Sabendo disso, Manuel Basoalto tentou, em filme, revelar a essência de um parente seu, por parte de mãe: Neftali Ricardo Reyes Basoalto, o maior poeta da Sudamérica, conhecido pelo pseudônimo Pablo Neruda.

O filme Neruda – fugitivo não é uma biografia ou filme histórico. Basoalto (o Manuel), deixa de lado a história política do Chile e os esquemas intrincados da fuga de Pablo Neruda para a Argentina, à cavalo, através dos Andes, por motivo de perseguição política; ignora o antes, o durante e o depois da vida de Neruda e dos outros personagens da trama e nos mostra o que pra ele é o real tema do filme: de onde vem, como sobreviveu e como se expandiu a poesia de Neruda após tão traumático e difícil período de clandestinidade de quase seis meses (setembro de 1948 à março de 1949), dos quais boa parte foram passados às margens do Lago Huishue, no Chile. O importante aqui, como já disse o principezinho de Sain-Exupéry, "não se vê com os olhos". O importante para Manuel Basoalto, me parece, é entender como, durante a fuga, Pablo Neruda se tornou uma força da natureza, uma entidade Sulamericana, como a própria Cordilheira dos Andes.

O filme retrata o íntimo do poeta em seu mergulho na America do Sul e em si mesmo, revisitando os lugares onde passou a infância, nos arredores de Temuco, onde ainda muito jovem aprendeu a amar a vida e a poesia. Durante todo o filme vemos ecos de seus versos nas pessoas que o acolhem em suas casas; caminhando por entre as florestas que ele atravessa; transpirando pelo seu corpo cansado ou pela vegetação andina; derretendo feito a neve dos andes e escorrendo pelo curso dos rios que ele cruza; sussurando em seus ouvidos feito brisa ou ventando em tormenta nos vales que o escondem; cantados nas canções, ao lado das fogueiras gauchas, nas noites frias dos acampamentos; chovendo torrencialmente e trovejando ou pingando em lágrimas de saudade da sua amada esposa "Hormiguita" e da vida tranquila que abdicou por um bem maior, um Chile livre do autoritarismo e da violência estatal.


Pablo Neruda às marges do lago Huishue, no Chile.

Neruda vivia poesia, que para ele era uma coisa da vida como todas as outras, como a política, o trabalho, o dormir ou acordar. Nunca deixou de escrever (e carregava sempre consigo sua máquina datilográfica portátil), criando, durante os quase seis meses de fuga, a maior parte do livro de poemas "Canto Geral", publicado em 1950, uma espécie de Livro do Gênesis da América do Sul, versejando, nos 231 poemas divididos em 15 Seções (Cantos), sobre a identidade Sulamericana. Percebe-se mais a influência do Canto X  que, não coincidentemente, se chama "O Fugitivo (1948)"  do já citado Canto Geral no roteiro de Manuel Basoalto, do que do livro histórico/biográfico Neruda : Clandestino, de José Miguel Varas, citado como referência pela maioria da crítica especializada. Talvez por isso o filme soe mais como um poema do que como um filme biográfico normal.

Assistir ao Neruda - fugitivo é como ler os poemas de Pablo Neruda, vendo seus versos saltarem incontáveis vezes nas falas e imagens do filme. É sentir a granulação da película, que envelhece e deixa tudo com cara de memória, de página de livro; é entender o faixo de sol que surge por entre as árvores enquanto poeta abraça sua amada "Hormiguita"; é encarar com reverência a Cordilheira que, imponente, abençoa o continente, mas, vilã, afasta o poeta da liberdade e da vida; é ouvir o canto dos rios, que correm feito sangue, o sangue latino, pelas veias abertas da América do Sul, entidade materna, de cujo barro foi forjado o povo Sulamericano. E, talvez, o mais importante: é, não só vislumbrar o íntimo do poeta Neruda, mas também sentir, lá no fundo de nós mesmos, debaixo de camadas de corpo e rocha, os chamados do Continente e da Poesia de que somos feitos.


Ps: Tocou-me tanto esse filme, que me inspirou o texto de semanas atrás, escrito na noite e dia seguinte à sessão de cinema. 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Álbum : A Love Supreme [1965, John Coltrane]



Desde os tempos imemoriais da humanidade a meditação e a oração são sugeridas como meio de contato do homem consigo mesmo e com o Cosmos, ou seja, orar ou meditar com energia proporciona a conexão entre a esfera mais íntima e minúscula de cada ser e a esfera mais exterior e infinita do Cosmos, unindo criatura e criador, a parte com o todo e, através dessa sintonia com todas as coisas, o praticante é iluminado e libertado.

Dos muitos seres de luz que já passaram pela história humana sugerindo a prática íntima e constante da oração ou meditação, podemos citar um que é, no mínimo, curioso: John Coltrane, saxofonista e lenda do Jazz.

Foi, coincidentemente, no dia de aniversário de sua morte (17 de Julho) que terminei de ler o livro "A Love Supreme" (Barracuda, 2007), escrito por Ashley Kahn e bem traduzido para o português por Patricia de Cia e Marcelo Orozco. O livro traz um panorama bem completo de todo o processo musical de Coltrane até chegar à criação, gravação e desdobramentos de uma das maioers obras primas do Jazz, de todos os tempos: a suíte A Love Supreme, lançada num álbum homônimo em 1965.

Acertadamente o livro não se prende apenas ao processo do disco, mas acompanha toda a trajetória musical de Coltrane, desde que saiu do Rehab e se tornou abstêmio de álcool e entorpecentes; sua passagem por diversas bandas, como a de Miles Davis, até formar a sua própria, com a qual disco a disco vai caminhando para libertar sua música das amarras estéticas e teóricas que tanto o incomodavam. Nele também encontramos depoimentos de amigos, parentes, parceiros musicais, produtores fonográficos, fãs e trechos de entrevistas que nos facilita visualizar, com mais amplitude, o que inspirava e movia Coltrane na sua busca que, além de músical, era evidentemente espiritual. 

O livro também não deixa de lado as informações sobre o music bussines da época, técnicas de gravação e mixagem. Assinalo a participação de Rudy Van Gelder, engenheiro de som do A Love Supreme e outras belas obras do jazz, que tem até capítulo à parte pela fundamental importância para a sonoridade do disco, bem como para que o livro se tornasse muito mais interessante. Foi uma surpresa colossal saber que vários discos de Miles Davis, Duke Ellington, Thelonious Monk e outros grandes nomes do Jazz dos anos 1950 foram gravados na sala de estar da casa dos pais de Rudy, à noite, após ele sair do trabalho em uma ótica e enquanto seus pais dormiam. Isso é algo que eu e muitos músicos fazemos e achamos uma incrível novidade. Doce ilusão, os grandes do Jazz (e não podemos esquecer do velho Les Paul) já tinham seu home studio e faziam obras primas atemporais. 

O que chama atenção no Rudy é que o som que ele conseguiu captar dessas gravações é de altíssima qualidade, sensacional até hoje. Enfim, há informações pra todos os níveis de interesse e, mesmo pra quem não "entende de música", Ashley Kahn coloca a informacão técnica de forma a fazer sentido para que qualquer interessado possa entender a influência de cada elemento, técnico ou artístico, na obra de Coltrane.

Durante a leitura do livro entendemos a dedicação quase monástica ao estudo e prática da música a que Coltrane se submetia, numa intenção nunca secreta de dominar a técnica e as linguagens para depois subvertê-las e expandí-las, como se emulasse Sidarta Gautama ou Jesus Cristo, em meditação e prática constante no deserto, buscando iluminação – que, de fato, como ouvimos no disco, conseguiu – e puxava para o mesmo caminho os músicos que o cercavam. Desta forma, como um Messias e seus seguidores, pregação após pregação pelos teatros e bares do mundo, o quarteto formado por Coltrane no sax (barítono e tenor), Mckoy Tyner no piano, Jimmy Garrison no Contrabaixo e Elvin Jones na Bateria, se transforma numa das maiores expressões do Jazz, referência não só da época, mas de tudo o que veio depois deles.

Com a coesão do quarteto comprovada no álbum Crescent (1964), Cotrane sentiu-se seguro para dar o próximo passo de sua jornada libertadora das notas musicais e de sua alma, criando um álbum extremamente Espiritual. Em A Love Supreme, todos se expressam mais do que musicalmente, eles se conectam entre si e com o Universo tocando a música que ressoa em suas almas, livres, dando graças ao criador pela oportunidade de estarem vivos.

Os sons que estão imortalizados nos fonogramas são os que foram gravados na noite de 09 de Dezembro de 1964, já no estúdio construído por Rudy, em Englewood Cliffs (New Jersey), e não mais na casa de seus pais. E a notícia de que houve uma sessão extra, na noite seguinte, com um Sax extra (Archie Shepp) e um Baixista extra (Arthur Davis), que desapareceu pra sempre, vai me arrepiar pelas próximas vidas. Interessante, também que as únicas fotos existentes (muitas estão no livro) são da sessão do dia 10, pois dia 09 não houve fotografo registrando. Ou seja, temos as fotos de um dia e o som de outro dia.

Uma suíte é um formato da música clássica, um conjunto de músicas que giram em tordo de um mesmo tema, no caso de A Love Supreme é homenagear Deus. Coltrane mesmo define sua suíte como uma oração e, por ser músico, se expressa melhor usando notas musicais, facilitando assim a conexão com o criador e com o Amor Supremo no qual ele se sentia envolvido e reverberando. 

O nome das faixas, Acknowledgment (Reconhecimento), Resolution (Resolução), Pursuance (Busca, Persecussão) e Psalm (Salmo, Prece, Oração), mostram o caminho sugerido pelo Jazzman para que nos sintonizemos com Deus, ou seja: Reconhecer a existência Dele; Resolver-se como filho do Criador; buscá-Lo sem descanso até visualizá-Lo e agradecê-Lo, em oração sincera pela graça da existência e das possibilidades de trabalho, estudo e evolução que nos foram dadas.

Ashley Kahn nos presenteia com 40 páginas de descrição detalhada de como cada uma das quatro faixas da suite se desenvolvem, abrindo-nos uma outra gama de entendimento sobre cada segundo de música. Mas Psalm, o salmo de Coltrane, tem uma história à parte. Ele é um poema escrito pelo próprio músico que, ao invés de declamá-lo no disco, tocou sílaba a sílaba no seu sax barítono. De uma sinceridade ímpar, é o momento mais iluminado do disco, com notas arrepiantes e lindas de se acompanhar ao mesmo tempo em que se lê o poema.

Faça isso você, agora:



Ou por esse vídeo da própria Coltrane Church (sim, existe).






E pra facilitar de vez a experiência, uma versão cantada de um trecho do Salmo:



Em algum dia de 1964, durante sua pratica diária, John Coltrane entendeu algo, sentiu algo e, mais que isso, ele colocou em prática, gravou um disco e espalhou a idéia. Utilizou a sua melhor forma de agir para se comunicar e se conectar com o Deus e Cosmos, recebendo e enviando amor. Depois de ler o livro e ouvir atentamente ao disco, foi impossível não ficar tocado ou, ao menos, pensativo, sobre estar mergulhado num grande mar de Amor Supremo e de energia infinita, mas não estar acessando isso tudo. Se como Coltrane, eu também posso melhorar minha conexão com esta infinita reserva de energia boa usando a meditação e a oração. 

Se todos somos capazes de criar as melhores coisas quando nos esforçamos usando só a nossa própria força, imagino o quanto melhor faríamos se estivéssemos agindo movidos pelas forças de todo o Cosmo. Qual seria a minha obra prima?

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Sem Título

É deserta a realidade!
Sem poema que me sirva,
Sem palavra que me salve.
Se sou algo, sou saudade.


terça-feira, 28 de julho de 2015

Na vida, como no poema.

A vida é – ou deveria ser – o exercício de conjugar o sentir com o agir. Como é no poema. Ordinária é a vida sem auto-análise, sem alguma constrição voluntária, sem testar limites. Como é no poema. Infinitas possibilidades de significação de nada servem, senão para diluir a vida num grande oceano de nada e tédio. Como é no poema. A palavra exata, no momento correto, é a diferença entre mais uma palavra na vida e um ato único e memorável, como o abraço oportuno, o sorriso inesquecível ou o silêncio necessário. Como no poema.

Como no poema, de que vale a vida que não se molda a cada momento, a cada lugar, para depois transcender-se continuamente? De que vale um sentimento que não se potencializa na melhor forma de expressão possível? Afinal de contas, o que é a boa vida – de todos, e não só a do poeta – senão viver um bom poema, fazer-se poesia?

terça-feira, 14 de julho de 2015

terça-feira, 23 de junho de 2015

Voyeur


São Paulo é sexo
Sadomasoquista
Excito-me, perplexo!
Mas quem goza é o analista...


terça-feira, 16 de junho de 2015

Filme : Um pombo pousou num galho de árvore, refletindo sobre a vida [Roy Anderson, 2014]


ou : não acredite nas sinopses.


"Comédia sobre dois vendedores ambulantes, Sam e Jonathan, que estão cansados do mundo.", era tudo o que me dizia o prospecto do Cine Belas Artes sobre o filme que eu iria assistir naquela noite. Miseráveis 86 caracteres, contando espaços e pontuação. Nem um filme ruim do Edie Murphie se explica em 86 caracteres! Que cilada! Já a sinopse do filme da sala ao lado, Winter Sleep, com seus três períodos e mais de duas centenas de caracteres, deixava o meu filme mais desinteressante ainda. E se não bastasse, eu me reconheci na história do concorrente, sobre um escritor de textos altruístas, que durante intrincada trama invernal se revelava um hipocrita maligno. Mas acabei reconhecendo que, na verdade da vida, eu deva estar mesmo mais próximo de um pompo sentado num galho e refletindo sobre a vida do que de um escritor de psique conturbada que suponho, ou adoraria, ser.

E agora, o que fazer se o trailer do Youtube foi convincente e os ingressos já estavam comprados? Bom, ainda me restava o benefício da dúvida, a esperança de que o autor da sinopse estivesse um tanto – melhor se completamente – enganado ou então eu teria de enfrentar uma simples comédia Sueca mesmo. De qualquer forma, já me sentia no lucro, afinal, o filme já tinha me jogado numa montanha-russa de sentimentos antes mesmo que eu entrasse na sala.

Resignado e instalado em minha poltrona, logo nas primeiras cenas do filme comprovo, aliviado, que o autor da Sinopse estava enganado e fui surpreendido por um ótimo filme de arte Sueco. Sei que a vida, por mais trágica que seja, tem seu lado cômico, mas denota-se uma certa falta de tutano classificar esse filme como uma simples comédia. E as pouquíssimas risadas que ouvi durante a projeção também comprovariam a minha teoria.

Como é de praxe nos filmes de arte, existe a intenção de se questionar os padrões e processos utilizados pelo cinema comercial, o tal Cinema Hollywoodiano. E essa mania começa na própria classificação do gênero do filme, que é feita baseada no estilo da narrativa e desenvolvimento da trama, que pode ser suspense, terror, aventura, romance, comédia e etc. 

Em algumas entrevistas, Roy Anderson, que é o diretor desse filme, já se dizia cansado de contrar histórias da forma tradicional, com começo-meio-fim, e daí veio a opção dele em filmar uma Antitrama, um roteiro sem narrativa, onde não se apresenta os poersonagens, nem a problemática, nem há desenvolvimento da história e muito menos resolução de qualquer questão levantada. Mas isso não significa que o filme seja sem sentido, a ausência de narrativa está apenas no filme, entretanto acontece dentro da cabeça de quem assiste. É o expectador o responsável integral por dar sentido ao emaranhado de cenas que o diretor nos apresenta, já que em momento algum ele nos sugere o que pensar ou como agir frente a tela.

Dessa forma, Roy consegue que a mesma película se transforme em diversos filmes diferentes, conforme são diferentes as pessoas e sesus universos simbólicos e culturais. Ele nos tira do papel de mero expectador e nos faz, de forma mais evidente e necessária do que outros filmes de arte aos quais assisti. Não sei se existe essa diferença na língua Suéca, mas em bom português, poderiamos dizer que Roy nos faz conjugar o verbo assistir em suas duas regências, simultaneamente assistimos ao filme e o filme.

Enfim, é esse tipo mais amplo de percepção que vai deixar a experiência do Um Pombo Pousou... mais emocionante. Caso contrário, se você é daqueles que pensa muito pouco sobre quase nada, prepare-se para assistir (se conseguir ficar até o final) ao filme mais chato da sua vida.

O filme, acertadamente, se inicia com três cenas (reflexões) sobre a Morte, a mais antiga e universal reflexão da história humana que, como diriam os Unidos do Caralhaquatro, "desde os tempos mais primórdios", ela está aí, despertando desde a mais minúscula migalha de filosofia que cada um de nós carrega até a nossa mais evidente angústia. Isso já sensibiliza a todos da platéia sobre abordagem filosófica necessária para aproveitar o filme. Além do mais, as três cenas trazem consigo as chaves mestras para interpretar o restante das cenas: a Rotina, a Ganância e a Solidão. E é por essa lupa que Roy Anderson sugere interpretarmos o filme e, não só o filme, mas também as nossas próprias vidas.

Altamente simbólico, prato cheio pra quem gosta de semiótica, tudo no filme pode ser interpretado em muitos níveis, o que me impossibilita de descrever e comentar as cenas em mais detalhes, já que elas terão significados e impacto diferentes em pessoas diferentes, mas posso fazer um esforço sobre alguns aspectos:

Os cenários de aparencia artificial, em cores pastel e sem graça, com poucos detalhes e objetos de cena, tão sem graça quanto a vida da maioria das pessoas do filme (e por que não do mundo real também?); A cara extremamente pálida dos adultos, entediados e doentes, em contraponto com as feições mais rubras das poucas crianças que aparecem usando cores ao seu redor e se divertindo, alheias à realidade sombria e às frustrações da vida adulta; A camera estática, nos colocando como o tal pombo do título (com direito a arrulhadas em cena ou outra), simplesmente observando o desenrolar da vida daqueles humanos que passam, como as pessoas que dizem "Que bom saber que você está bem.", que em geral não estão bem, muito menos felizes, ou, no mínimo com inveja; Enfim, luzes, cores e movimentos onde a vida pulsa e penumbra, morbidez e estaticidade onde a vida já não existe mais com tanto vigor. É assim que se desenvolve o filme, num surrealismo delicioso pra quem aceita o convite à reflexão.

E os dois vendedores da sinopse aparecem onde, afinal? Eles são os personagens que mais aparecerem no filme. Moram num hotel que vezes parece um hospício, vezes um presídio, e insistem em vender artigos engraçados que não tem graça para pessoas tristes que não tem mais interesse em diversão. Vale citar uma passagem próxima do final do filme, na qual um deles, o mais sentimental, levanta uma questão existencial profunda e importante no meio da noite: "É correto usarmos outras pessoas para a nossa própria diversão?" e é dissuadido de continuar a pensar nisso, pois já é tarde e todos ali tem que dormir para poder acordar cedo e ir trabalhar. Nada mais contemporâneo e verdadeiro do que a triste realidade na qual a maioria das pessoas no planeta vive: deixando as próprias verdades de anseios de lado para poder, no outro dia, acordar cedo e cair na rotina robótica do trabalho que não as realiza como pessoa nem como ser humano.

E há mais, muito mais reflexões que se despertam das nossas profundezas, para a luz de nós mesmos durante esse filme. No fim das contas, até entendi os motivos do sujeito que fez a sinopse esconder a natureza filosófica do filme. Ele sabia que, certamente, espantaria muita gente que preferiria voltar para o sossego do lar, pois tem coisa mais importante pra fazer do que refletir sobre a própria vida: trabalhar logo cedo no dia seguinte, como todo mundo faz, desde sempre.

terça-feira, 2 de junho de 2015

Eu te amo

Amada, minha amada
Que por outro enamorada
Voôu longe, foi se embora
Sem deixar rastro ou pegada

Fiquei nu, sem ti, sem nada!
Não vi mais teu riso largo
Teu cabelo de luar
Nem tua pele de alvorada

Nos meus braços fazem falta
O teu cheiro e colorido
Mas não ouso ficar triste
Se não bailas mais comigo

Pois, sei bem, amada, e te entendo
Não te sintas tão culpada!
O amor nasce sem avisos, assim sendo,
Vá! Vá colher os teus sorrisos!

terça-feira, 26 de maio de 2015

Edu Franz : Before You Go

No início destes ano, recebi o convite para me juntar a um time de grandes amigos músicos que, unidos dariam forma à banda de apoio de Edu Franz, jovem compositor, multi instrumentista de Cianorte (PR) e, também, um grande amigo.

Foi impossível negar a chance de ser baixista numa banda que contaria com o Éder Chapolla (velho companheiro de estrada) na bateria e Johnny Monster (um artista que admiro muito, há tempos) nas guitarras. Com três músicos tão diferentes em seus referenciais, o resultado imprevisível dessa mistura é sempre excitante. E pudemos comprovar que a química funcionou durante as sessões no Estudio Costella, para a preparação e gravação das 7 músicas que vão fazer parte de um EP a ser lançado em breve.

Good vibes at Costella's

O primeiro single foi lançado no dia 08 de Abril de 2015 e se chama Before You Go. Dançante e inspirado num rock mais moderno, já está sendo bem tocada nas rádios do interior do Paraná, e logo atingirá mais e mais lugares. O EP completo e mais outros materiais saem em breve, é só se manter conectado através do facebook para não perder as futuras boas notícias.

Bom, é isso. É com muita satisfação que apresento mais esse trabalho que pude colaborar como músico, produtor e tudo mais que foi preciso. Divirtam-se!





domingo, 17 de maio de 2015

Embrassez-moi

Depois de uma noite à francesa, acordar num domingo pela manhã, com versos em francês escorrendo pela cabeça é uma experiência deveras doida. Saltei da cama, pesquei-os e, duas horas depois, esse foi o resultado:


Embrassez-moi


Embrassez-moi!
Urgemment
La nuit est trop courte
Et la vie encore plus

Embrassez-moi!
Depuis la nuit jusqu'au matin
Aujourd'hui et etèrnellement
À l'infini et au-delà

Je suis déjà votre
Mais si vous êtes mienne, je ne sais pas
Voilà pourquoi je vous demande
Ce soir, embrassez-moi!



Mas, o difícil mesmo, foi fazer uma versão em Português. Outras duas horas para conseguir este resultado très charmant.



Me Beija


Me beija!
Urgentemente
A noite é tão breve
Mais breve ainda é a vida da gente

Me beija!
Pela noite, até o sol surgir
De hoje em diante, ao eterno porvir
Pelo infinito e mais, além

À ti já me dei
Mas se és minha, eu não sei
Por isso peço-te a certeza
Esta noite, amor, me beija!



Ps: Obrigado à prof. Karina Beniacar, pela consultoria en français.

terça-feira, 12 de maio de 2015

O quanto carregamos, o quão longe vamos.

Inspirado numa versão de um conto de Eckhart Tolle que Leandro Karnal contou em uma palestra do Café Filosófico.





Dois monges budistas caminhavam pela floresta e, ao chegarem à beira de um rio, encontraram uma garota muito bonita, vestida com pouco pano e exalando sensualidade. E ela pedia ajuda para atravessar o rio.

Ambos haviam feito voto de castidade, e o monge mais novo, ainda na punjança hormonal da juventude, sentindo-se ofendido pela presença e atitude da moça, negou a ajuda. Mas, para o espanto do mais novo, o monge mais velho, caridosamente e de muito bom grado, ofereceu-se para ajudar e, colocando a moça nas costas, a levou até o outro lado do rio, seca e em segurança. Despediram-se todos, e a viagem prosseguiu normalmente.

Quilômetros depois, o jovem monge, remoendo o acontecido e ainda revoltado com a atitude mundana de seu companheiro mais velho, perguntou-lhe, indignado:

– Como é que você cedeu àquela tentação? Como ousou envolver-se na luxuria dessa forma, arriscando seus votos, e ainda continuar calmo e tranquilo?

Com um sorriso amigável e sincero, o monge mais velho responde:

– Estou tranquilo e em paz porque eu carreguei a moça apenas até o outro lado do rio; mas, pelo jeito, você ainda a está carregando.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Café Filosófico : Hamlet, o anti-facebook e algumas reflexões sobre todos nós.


"Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre em nosso espírito sofrer pedras e setas com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja, ou insurgir-nos contra um mar de provocações e em luta pôr-lhes fim?" - Hamlet


Tomar consciência de si e do próprio lugar no mundo, do vazio que tomou conta da nossa existência, não é tarefa simples e, certamente, gera grande parte da angústia que temos e as fugas que usamos para não lidarmos com essa questão. Tão antiga, que perturba desde Platão (e é, certamente, anterior à ele), o conheça-te a ti mesmo no desafia a olhar por detrás das nossas máscaras independentemente da dor que isso causa e, além disso, nos convida a empregarmos esse auto-conhecimento em atitudes condizentes com a realidade na qual queremos existir.

Num mundo de facebook, época de informação tão veloz, a dificuldade de significar as experiências e a falta de capacidade (muitas vezes medo) de mergulhar em si mesmo e se assumir como se é e não como dizem que devemos ser, nos torna escravo da chancela social. Aguardamos que o mundo aprove a nossa vida, dizendo se ela é ou não tão interessante quanto suspeitamos que ela seja, já que não temos mais capacidade ou coragem para comprovar por nós mesmo. Preferimos ser vigiados e julgados pelos outros do que aprender a sermos honestos conosco em momentos solitários que deveriam ser naturais e não sintomas de doença mental.

O drama do príncipe Hamlet pode ser mais contemporâneo do que parece. Reconhecer que "há algo de podre no reino da Dinamarca", utilizando as palavras do próprio Hamlet, é só o primeiro passo para uma grande e difícil obra de melhorias no reino interior de cada um de nós. Tal reflexão é um ato corajoso e necessário para o humano moderno que procura alternativas para libertar-se.

Então, aproveite mais esta ótima palestra de Leandro Karnal, feita para o Café Filosófico, da CPF CulturaNum retrato do hoje, o reflexo do ontem. Zygmunt Bauman e Willian Shakespeare. Somos um Hamlet Liquido? Enfim, se há mais coisas no céu e na terra do que sonha nossa filosofia, então, mãos à obra!



hamlet de shakespeare e o mundo como palco, com leandro karnal from cpfl cultura on Vimeo.

terça-feira, 28 de abril de 2015

Filme : O Ladrão de Sonhos [1995, J.P. Jeunet e M. Caro]



Quanto nos custa sonhar? Qual o valor desses sonhos? Uma vida sem sonhos não deve ser fácil, a imagino árida. Krank, um velho rabugento e sem alma, criado por um cientista louco, sabe muito bem o que é uma vida sem sonho, pois ele não os tem. Ele, o próprio ladrão de sonhos, é que dá o título em português para o filme La Cité des Enfants Perdus, pois em desespero, tenta roubar os sonhos das crianças que sequestra para sua fortaleza isolada em alto mar. Mas só consegue pesadelos. Pobre Krank, desesperado, envelhece a cada sonho que não tem. E deve funcionar assim conosco também.

Mas essa não é a única referência à nossa psique existente nesse excelente filme, dirigido pela dupla J.P. Jeunet e Marc Caro e lançado em 1995. No mundo sombrio que eles criaram, cercados de água por todos os lados, desfilam personagens estranhos: aberrações de freak show com suas paranóias, guerreando entre si; um cérebro preso num aquário, dotado de sabedoria e enxaquecas, mas sem membros, depende dos outros para agir no mundo; uma trupe de clones que, juntos, não valem por uma pessoa sequer (como toda massa popular cheia de "iguais"); adultos infantilizados e/ou neuróticos; crianças sérias, com comportamentos bastante adultos; e até mesmo uma seita que prefere cegar-se ao ver os problemas do mundo e resolvê-los, aguardando algum messias que vá colocar tudo em ordem para, aí sim, eles voltarem a abrir os olhos e desfrutarem do paraíso. São todas caricaturas de nós mesmos, ou quem sabe, uma reprodução do caos interior de cada um de nós e de todos os elementos que o compõe. E não posso deixar de lembrar da figura da princesa anã, nada mais do que a imagem do amor artificial que, prisioneiro, escravizado e servil não cresceu, se deformou.

Com uma ambientação tão bonita, que conta, inclusive, com figurinos de Jean Paul Gaultier, uma cenografia tão importante quanto uma personagem da trama e um universo subjetivo complexo, atraente e rico – o que é bem comum no cinema de arte europeu – a busca do herói One e sua parceira Miette, por seu irmãozinho sequestrado pelo Ladrão de Sonhos é um mero detalhe, é só mais um dos elementos desse conto de fadas para adultos que conspiram para que, assim como aquele velho rabugento do Krank, nós também percebamos que sonhar é necessário para se viver e que até mesmo as aberrações têm esse direito.



terça-feira, 21 de abril de 2015

Não estamos podres. Não somos lixo.



O que mais se ouve hoje em dia é que o mundo está podre, ou melhor, a humanidade está podre. Afinal, o mundo, o planeta Terra, esse globo de rocha que nos abriga está como sempre esteve, forte, seguindo sua marcha e, certamente sobreviverá à nós. Enfim, fala-se muito dessa coisa podre e malcheirosa na qual nos tornamos, cancro altamente contagioso que nos levará à extinção por nossas próprias atitudes.

Por muito tempo me juntei ao coro dos descontentes e engrossei o vozerio dos que proclamam o fim da humanidade e sua causa mortis como "apodreceu". Hoje, discordo. É claro que nossas atitudes inconseqüentes podem nos extinguir sim, e disso não se duvida, afinal a lei de causa e efeito é universal, imutável e imprescritível, e a ela responderemos em todos os níveis de atuação, da mais íntima e pequena à maior e mais global. O que quero dizer é que discordo de que estejamos podres.

Se prestarmos atenção na natureza e em seus ritmos, podemos perceber que tudo no universo segue uma marcha natural desde o nascimento até a morte. É a famosa relação nascer-crescer-amadurecer-morrer. Ou seja, para todas as coisas, da escala subatômica mais ínfima até a imensidão cósmica, a marcha natural demanda, antes da morte e depois do nascimento, o amadurecimento. E não adianta espernear, nós não somos superiores às regras do Universo e jamais iremos controlá-las.

Prefiro, então, pensar nessa outra dinâmica e defender a idéia de que, pelo contrário, a humanidade não está podre e, sim, muito longe disso. Ela sequer atingiu a maturidade, e como é abundantemente observável e evidente em todos os setores do universo natural do qual fazemos parte, não há como apodrecer antes de se estar maduro. Além do que, só se apodrece depois que a vida acaba por completo, depois de morto, e nunca antes. O que é vivo não apodrece.

Penso, também, que a idéia da humanidade podre é perigosa, e nos remete ao tratar-nos feito lixo, que se descarta, abandona, enterra-se tudo bem fundo e deixa-se para trás, antes que o fedor aumente ou alguém pegue alguma doença. E sabendo de outra lei natural, bastante clara de que o que é morto não volta à vida, a humanidade podre já teria passado do ponto, já estaria morta, fedendo e inútil, não teria mais solução e só nos restaria abandoná-la. E abandonando a humanidade, abandonamos a nós mesmos e damos um impulso extra para o nosso próprio sofrimento através dos tempos.

Portanto, é essencial para a construção de uma nova e melhor realidade, entender que a humanidade não está podre, pois nunca esteve madura. É importante que entendamos e respeitemos o ciclo natural das coisas e alinhemos nossa dança ao ritmo universal. Isso nos faz ter uma nova postura, mais compreensiva e pró-humana, nos dá esperança, paciência e força para continuarmos a trabalhar continuamente, interna e externamente, para o bem.

Sempre que se fala em mudanças na humanidade, existe a impressão de que seja um trabalho coletivo, de mobilização global, que devemos sair por aí gritando, brigando e obrigando as pessoas a se comportarem de outras maneiras, de imediato. Agindo assim, inviabilizamos o trabalho pela simples impossibilidade de se mobilizar todo o mundo num único esforço, e isso, além de nos deixar cansados e desanimados antes do tempo, ajuda a criar conflitos que só dificultam ainda mais a coisa toda. O trabalho que se propõe é solitário, é profundo, cada um em si mesmo, pois os nossos valores íntimos e as nossas atitudes no mundo são a única coisa que cada um de nós tem o poder de mudar no universo. Ninguém jamais mudou, muda ou mudará o outro sem que esse aceite mudar por si mesmo, através de uma decisão própria e indelegável.

Enfim, se cada um cuidar exclusivamente de si antes de cuidar do vizinho (exceto, é claro, quando ele pedir por ajuda), nos melhoraremos dia-a-dia, auxiliando a marcha evolutiva natural à qual estão sujeitas todas as coisas do universo – o que inclui, por óbvio, a todos nós – rumo à tão desejada maturidade e, quando for o seu tempo, ao envelhecimento e à morte natural, em paz.