sexta-feira, 31 de outubro de 2014

A Travessa dos Prazeres


foto por João Santos


Enquanto caminhava docemente pelas íngremes e estreitas ruas do centro histórico, Agnes apreciava atentamente cada detalhe ao seu redor. Adorava ver os novos rostos das pessoas que passavam por aquele caminho que ela fazia diariamente, e era interessante notar que a cada novo dia novas coisas se colocavam diante seus olhos, como se nunca tivessem estado lá, mas eram tão velhas quanto o cenário.

Por três vezes durante a semana, a menina palmilhava o percurso, por vielas e escadarias, ruas de paralelepípedos, algumas estreitas outras um pouco maiores, cercadas pelos casarões. Ia subindo pelo caminho até que aquela pequena rua se transformava num largo majestoso, com um chafariz no centro, era o mercado dos ambulantes, a melhor parte da viagem. Sentia os aromas sutis das ervas e flores nas bancas; das pessoas perfumadas ou não; a gritaria na competição pelo freguês e todo aquele emaranhado de sensações caoticamente absorvidas pelos seus cinco sentidos de apenas nove anos de existência. Morava na vizinhança, e sua mãe não via problema em deixá-la ir sozinha até o prédio da Companhia Municipal de Ballet, onde praticava a dança.

Num destes dias, pelo canto dos olhos, Agnes reparou que alguma coisa em meio a todas aquelas cores se movimentava ao seu compasso, porém envolto nas sombras dos becos e vielas à sua direita. A sensação de ser protagonista de uma cena, criada nas retinas de outra pessoa, fez a menina inquietar-se. Com os olhos, e sutilmente com a cabeça – para não chamar atenção – vasculhava os arredores até onde sua visão alcançava, até que depois de alguns minutos pode encarar o seu observador, uma visão estranha.

Esguio, com uma cartola marron escura que o fazia ficar ainda maior. Não via detalles de seu rosto, apenas um bigode fino e enrolado na ponta, como aquele do Dick Vigarista dos desenhos animados. Vestia um casaco que ia até os joelhos, azul escuro, quase violeta, com botões dourados e uma calça de um marron indefinível. Mas o que interessou a menina foram as dezenas de balões coloridos que o moço portava. Ele a chamou com os dedos e abriu um sorriso bastante convidativo.

Agnes rumou em direção ao desconhecido, ignorando o que sua mãe sempre lhe dissera sobre esses tais desconhecidos. Foi se aproximando e pôde perceber um brilho, que mais parecia dois palitos de fósforo, nos olhos negros da figura. Eram, por incrível que pareça, encantadores.

- Olá, linda garotinha! Aceita um balão bem bonito? – disse o moço.
- Oi, moço, quero sim! Quero aquele amarelo! Como é seu nome, moço?
- Ah sim, o amarelo! Voilá, aqui está, e leve mais esse lilás pra acompanhar.
- Muito obrigada, mas... quem é você? Porque essa roupa diferente? Você não sente calor? Você não...
- Ora, quantas perguntas, garotinha... uma por vez, por favor, senão fica impossível! – disse, gargalhando, o figura - Vou lhe dizer, primeiro, o meu nome.

O sujeito se abaixou e cochichou seu nome ao ouvido da jovenzinha. Assim que terminou, o rosto infantil e cheio de vida se transformou numa expressão atônita, os olhos, antes curiosos, sequer se moviam. Os balões, soltaram-se de suas mãozinhas e flutuaram ao infinito do céu, especialmente azul naquele dia de primavera.

- Agora é só me acompanhar, pequena Agnes. – Sentenciou sombriamente o sujeito.

Segurou na mão da menina, virou-se para dentro da viela e pôs-se a andar, levando a garotinha junto. Alguns passos depois os dois desapareceram nas sombras, como se jamais tivessem existido. Daquele dia em diante a ausência de Agnes foi dolorosamente sentida e jamais curada.

Fato interessante é que, depois do sobrenatural ocorrido, todos os anos, no mesmo dia e hora, pode se ouvir por alguns segundos, ecoando na Travessa dos Prazeres, os passos de uma cabra.


terça-feira, 28 de outubro de 2014

Receita de Empanada



Empanadas Gosky
por Edward Lear

Pegue um porco de 3 ou 4 anos de idade e o amarre pelas patas traseiras à um poste. Coloque 3 quilos de uvas passas, 1 de açúcar, 2 punhados de ervilhas, 18 castanhas assadas, uma vela, e 6 baldes de nabo, à uma distância na qual ele possa alcançar. Caso ele coma tudo, providencie mais, constantemente.

Então, junte um pouco de nata, algumas fatias de queijo Cheshire, 4 cadernos de papel ofício, e um saco de alfinetes pretos. Transforme tudo numa massa e espalhe para secar num lençol limpo de linho marrom.

Quando a massa estiver perfeitamente seca, mas não antes disso, comece a bater violentamente no porco com um cabo de vassoura grande. Se ele guinchar, bata nele outra vez.

Olhe a massa e bata no porco alternadamente por alguns dias, verificando se, no final deste período, ambos estão se transformando em Empadas Gosky. Caso não estejam, nunca irão; e, nesse caso, solte o porco, jogue a massa fora, e considere o processo todo terminado.

-- <:>--

A receita acima é citada no texto "Do Conto Breve e Seus Arredores", do argentino Julio Cortazar, um dos mestre do Conto Fantástico Sulamericano. De acordo com ele, essa receita culinária exemplifica o método que a maioria dos escritores de contos modernos usa para criar seus textos, que são rasos, desinteressantes e de baixa qualidade literária. Expandindo perigosa e inconseqüentemente a mensagem do mestre, pode se dizer que este 'método sem método' é usado, não só por escritores, mas pela maioria dos criadores de arte em geral.

Desde Aristóteles à Berthold Brecht, muitos já postularam sobre o exercício dilacerante da criação e de como minimizar a dor, mas não o trabalho, apontando métodos e dicas para os aspirantes a grandes mentes criativas. Sei que já falei sobre isso há algumas semanas atrás, ao citar a "Arte de Escrever" de Schoppenhauer, uma traumática coletânea de "dicas para escritores", mas que vale uma leitura cuidadosa. E, caso se interesse em melhorar seu estilo de escrever, experiência menos traumática é a leitura do "Decálogo do Perfeito Contista", escrita pelo argentino Horácio Quiroga.

É claro e evidente, feito o sol, que não tenho sequer a altura de uma molécula perto destes gigantes do pensamento e da literatura, inclusive, me imagino agora, feito um mini Plankton do Bob Esponja (vide foto abaixo), ao lado da sola das sandálias do Aristóteles ou dos sapatos do Schopenhauer, gritando por atenção e implorando por qualquer fiapo daquela sabedoria toda. Longe de mim tentar esgotar o assunto ou chegar a qualquer conclusão muito profunda, mas quando me deparei com uma receita tão interessante e perturbadora como a das Empanadas Gosky, tive que compartilhar.


Diga-se a verdade: é impossível ser genial o tempo inteiro. E mesmo que nos esforcemos para tanto - ou não, como fazem muitas vezes os gênios de verdade - não é sempre que se tem sucesso. Criar um texto, e por texto leia-se: canção, poema, conto, etc., é um quebra-cabeças, onde se precisa encaixar idéias, formas, conceitos, palavras, ritmo e um monte de outras coisas para que ele funcione bem. Cortazar, no texto citado, sugere que o autor trabalhe para que o conto respire por si só e tenha vida própria; que sua estrutura funcione como um organismo coerente e se torne independente do autor; onde todos os elementos se comuniquem naturalmente e se complementem, ganhando força, de forma simples e sem rodeios - como completaria seu conterrâneo Quiroga. É criar um universo completo, mesmo que 'sem pé nem cabeça' e, se assim o for, que não haja mesmo nem pés nem cabeças dentro dele, sob pena de comprometer a magia do texto, a expectativa do leitor e a sua imersão, ou seja, o quanto ele vai confiar nesse novo mundo e se deixar mergulhar de cabeça ou só molhar a ponta dos pés.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Música Pavê : Músicos e Escritores

DICA: TRÊS LIVROS NOVOS DE MÚSICOS

Tem gente que é criativa e há também aqueles que são a própria criatividade e não se contentam em trabalhar apenas uma linguagem artística, daí termos tantos músicos que são também atores, fotógrafos, pintores, bailarinos, chefs (também é arte!) ou o que quer que seja. E muitos deles, como Vinicius e Chico, se aventuram também na escrita.
Eis aqui três exemplos, cada um de uma área da literatura, de músicos brasileiros do cenário independente que nos mostraram seus lados de escritor em 2014.

##Danislau (Porcas Borboletas) - Hotel Rodoviário
Sai em 22 de novembro o romance que o vocalista do grupo escreveu. Segundo o release, ele conta a história de Jim da Silva, um ator pornô, narrador de strip tease e padre foragido inspirado em Jim Morrison, além de também cantar em uma banda. A história viaja do interior de Minas ao México, mostrando o anti-herói em um universo que mistura o faraoeste a Bukowski. O lançamento aconceterá durante o evento Balada Literária em São Paulo.
“Pensando bem, preciso cometer a grosseria de afirmar: a stripper não é assim tão necessária. Confesso que já cheguei a narrar alguns strips na ausência da moça. Mulher, você já viu: pode cismar por um motivo besta e iniciar uma greve a qualquer momento. Já me aconteceu. Não tive problemas, narrei um strip-tease inexistente. Fui obrigado a praticar uma narração mais objetiva, o que não está muito a meu gosto, mas tudo bem. A plateia delirou. Ver e imaginar, o amigo sabe, são duas pernas de um mesmo caminhar.”

##Tiago Lobão (Nevilton) - O Pretérito Presente no Subjetivo
Esta dica já passou por aqui há algumas semanas em uma matéria mais completa, mas vale reforçar o assunto. O livro de poemas revira o passado do artista, trazendo seus fantasmas, saudades e cicatrizes à tona em versos que esbanjam ritmo e musicalidade que o fizeram conhecido no meio, além de uma sinceridade nas palavras que faz ainda mais sentido pra quem já o viu pessoalmente, em cima do palco ou em qualquer outra situação. Para saber mais, visite seu blog.
“O alívio do justo é tão fugaz,
quanto é rasteira a vida, que faz
troça da boaventurança,
e ainda vem-me roubar a rima”


##Matheus Brant - A Música e o Vazio no Trabalho
Além de músico, Brant é também advogado e esta obra surgiu durante seu mestrado em Direito do Trabalho. Trata-se de uma reflexão baseada na obra da filósofa Hannah Arendt sobre, principalmente, o papel da arte em um mundo regido pelo trabalho. Como se não bastasse, o livro vem com cinco músicas compostas para ele, expondo suas ideias de maneira poética, e cada uma delas recebeu uma ilustração da artista Deborah Paiva (tem todas neste álbum e as músicas estão na playlist abaixo). Saiba mais no site de Matheus Brant.
“Arendt situa a obra de arte e, portanto, os ‘talentos do artista’ no âmbito da atividade que denomina ‘obra’. Assim como o ‘trabalho’, a ‘obra’ possui características próprias e em tudo, senão contrária ao ‘trabalho’, ao menos completamente diferente deste, a não ser, naturalmente, pelo fato de que ambos ao lado da ação, fazem parte da vita activa e correspondem, cada um à sua maneira, à ‘condição básica sob a qual a vida foi dada ao homem na Terra’.”

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Natural, como respirar



Garimpando na minha caixa de e-mail, me deparei com uma correspondência entre mim e uma amiga que, naquela época, se sentia ansiosa com as mil coisas que já estavam planejadas e que poderiam acontecer nos próximos meses, mas não tinha muito pra fazer agora, exceto esperar. Como era uma pessoa muito ativa, resolvida e não menos ansiosa, esperar não era sua praia, se sentia perdida e meio triste, sem saber o que fazer.

Eu poderia ter feito como a maioria das pessoas faz e usar daquela solidariedade automática, também chorar minhas pitangas, dizendo que "ah, pois é, eu também tô cheio de problemas... essa vida é uma loucura mesmo! Ah, que mundo cruel!". Mas pensei: que tipo de amigo seria eu que, ao invés de confortar, elevando a outra pessoa para um nível mais alto, onde ela possa ver mais longe e se sentir melhor e mais segura com o futuro; também me jogo no buraco para chorarmos juntos e não sairmos mais dali?

Não respondi o e-mail de imediato. Fiz um chá e fiquei olhando a noite pela janela, meditando. Era madrugada, a Rua da Consolação, que outrora estava lotada de carros, agora estava vazia e assim ficaria até o amanhecer; a lua não estava mais cheia, cumpria sua sina de ir sumindo dia após dia para desaparecer completamente durante a lua nova e depois voltar a crescer até atingir a fase cheia outra vez; olhei os vultos das árvores balançando com o vento que as jogavam pra um lado e para o outro, constantemente, quase que no ritmo da minha respiração que enchia e esvaziava meus pulmões de ar, num ciclo infinito e constante, mas sempre com uma pausa entre o final do encher e o início do esvaziar. Mas, em tudo o que tinha observado havia esse momento de ausência de movimento entre as fases dos ciclos. Ora, ausência de movimento é bem o período em que minha amiga estava e, pelo que me parece - e pelo que consta nas leis da Física sobre Movimento -, é bem natural que isso aconteça.

Mesmo sendo a 3ª lei de Newton e o Movimento Pendular de Galileu Galilei belos argumentos para uma palestra motivacional, não se preocupem, venci a tentação verborrágica e apenas publicarei o que respondi depois de alguns dias de reflexão e observação:

"Nos últimos dias, pensei sobre como é naturais isso que te acontece. Fiquei olhando a natureza e, pra todo impulso, há um momento em que não se tem movimento, onde a as forças são nulas: na onda do mar, entre a onda que vai e a onda que vem; na respiração, entre o inspirar e o expirar e por aí vai. E é nesse momento que você está, entre fôlegos, entre ondas, um momento mais natural do que a gente pensa, mas que dá uma estranha e inevitável agonia. Aproveite-o! Use-o pra pensar no que você conquistou, internalize o que passou, faça planos, pense no futuro também. Pois, acho que, quando o bicho pegar e tudo engrenar, aí você não vai ter mais muito tempo pra pensar e planejar. Vai ser puro agir."

Enfim, nunca vai dar errado. Acalmar-se. Respirar. Olhar ao redor. Ficar atento. A melhor resposta vai ser a mais simples, a mais natural. Faça o teste.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Deus me lívery !



Liga na pizzaria e pede uma Margherita.

- Aqui não tem essa pizza de Margarida, não, moça.
- Não é Margarida, meu amigo, é Mar-ghe-ri-ta.
- Então, é o que eu disse, não tem Margarida aqui não.
- É margherita, meu amigo, ghe-ri-ta. É uma das pizzas mais tradicionais do mundo. Massa, muçarela, tomate e manjericão. Simples.
- Ué, mas isso aí que a senhora tá pedindo é pizza de Muçarela, então.
- Não, amigo, se tem tomate e manjericão é Margherita! Aquela história toda, das cores da bandeira da Itália, numa pizza, lá em Nápoles, em homenagem a Rainha Margherita...
- Ah, senhora, sei disso aí não. Esses negócio de gringo é tudo outra história, cheio de firula... e, também, já viu, né? Deve estar cheio de gente tentando ligar aqui e a senhora nessa coisa de pizza de Margarida!
- É Margherita, querido, Mar-ghe-ri-ta. Eme, a, érre, gê...
- Tá bom, tá bom. Vamo fazer essa aí pra senhora. Muçarela, tomate e oregano, néisso?
- Não, muçarela, tomate e manjericão. Man-je-ri-cão.
- Tá, manjericão, beleza.
- E, me diga, o manjericão é fresco?
- O Manjericão? Fresco? O mais fresco da cidade! Dá pra ver a frescura de longe, só de olhar pra ele.
- Então tá bom. Manda a pizza e traz troco pra cinqüenta.
- Tá bem então, em meia hora a pizza chega no endereço que a senhora me passou. Obrigado e boa noite.
- Obrigada, boa noite.
Nem termina de desligar o telefone e já olha pro pizzaiolo, um negão alto, um tanto acima do peso, de ombro largo e diz: 
- Aí, Manjericão, esses seus amigo tem cada uma heim!
- O que foi, Fófis? Qualé o babado?
- Ligando aí, pedindo pizza que não existe. E ainda pergunta se você é fresco! Até parece que não te conhece, pô!

Uma hora depois, chega a pizza no endereço combinado: Muçarela, tomate e orégano.


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

MúsicaPavê fala sobre o PPnS


TIAGO LOBÃO: DE MÚSICO A ESCRITOR INDEPENDENTE


tiago-lobao
Talvez você conheça ele como o baixista que acompanha Nevilton, ou como o baterista no mesmo projeto. Não bastasse essa versatilidade, até como garçom o cara é conhecido. Agora, porém, Tiago Lobão acrescenta mais um ofício ao seu currículo e (por que não?) à sua identidade: Escritor.
Seu primeiro lançamento é o livro de poesia O Pretérito Presente no Subjetivo (simpático e bonito já no título), que traz 27 poeemas escritos em épocas diferentes, mas que, como ele explica, “ainda fazem parte de mim”. “E esse foi o parâmetro pra escolher os poemas”, comenta Lobão, “eles deveriam ser relevantes pra mim ainda hoje e, é claro, bonitos”. Pra esse processo de edição, ele precisou revisitar não só suas palavras, mas todas as circunstâncias que as cercaram no período de escrita – uma verdadeira viagem no tempo, como o nome sugere.
“Foi como reabrir feridas antigas pra poder redescrever a dor de uma forma mais confiável. Achei que foi um ótimo exercício artístico e psicológico pra mim”, diz o autor, que disponibilizou a obra em uma grande diversidade de formatos (Kindle, Kobo e LEV, além da versão em PDF disponível no sistema “pague o quanto quiser” e o livro impresso, vendido em shows de Nevilton). Como ele comenta, “dá pra ver que estou usando o know how de banda independente na carreira de escritor independente”.
A experiência na música, porém, vai além do formato de lançamento. “Criar tensão, desfazer a tensão, pausas, ritmo, até o som das palavras, a rima, a métrica, tudo isso foi bem mais fácil pela prática que eu adquiri fazendo música”, conta ele, afirmando que a recíproca é verdadeira e o trabalho com palavras tem uma influência inegável na hora de tocar e compor.
Algo que não conversamos, mas que imagino que ele saiba melhor do que eu, é sobre o processo de colocar uma obra no mundo, seja na linguagem artística que ela vier, sabendo que cada um se apropria dela como bem entender. As dores e a experiência que Lobão teve pra escrever um verso causarão identificações diversas nas pessoas, um processo que ele sempre observou na música e agora poderá medir ainda mais, já que assina o trabalho com seu próprio nome.
E, já que assumi o texto em primeira pessoa na conclusão, ver uma iniciativa dessas vindo de alguém já conhecido por outras funções me relembra a inquietude criativa que observo como própria da nossa geração. Mais do que produzir por um alívio da criatividade, ele usou seu tempo para repensar, revisar, reescrever e toda repetição de atividade que gere algo inédito para quem o conhece em terceira pessoa, perto ou longe, nos dando a oportunidade de enxergar não só o mundo aos seus olhos, mas ele mesmo. Haja coragem.
Pra terminar, saiba que haverá lançamento do livro em São Paulo, com direito a show, nesta quinta-feira em São Paulo. Os detalhes estão abaixo, depois da capa do livro. Acompanhe o trabalho de Tiago Lobão também em seu blog.
O-Preterito-Presente-No-Subjetivo
##Beco Antes apresenta: Nevilton + lançamento do livro do Tiago Lobão
Quinta, 9 de outubro, a partir das 20h
Beco 203: Rua Augusta, 609


fonte: http://musicapave.com/artigos/tiago-lobao-de-musico-independente-a-escritor-independente/

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Comprovações

O dia seguinte seria muito importante, participaríamos da etapa final do concurso Green Day MTV, que aconteceria no Inferno Club, rua Augusta. O vencedor iria ser a banda de abertura para o Green Day, na Arena Anhembi, para um público de, mais ou menos 30 mil pessoas. Não era costume, mas naquele dia, o Apê 80 (ainda um embrião do que viria a ser no upperground paulistano) foi dormir cedo.

Bellé Jr. (que naqueles tempos ainda era Júnior Bellé), dono do quarto, quedava-se em sua cama; eu dormia num colchão ao lado e o Chapolla em outro. De repente, fui despertado por sabe-se lá o que, era uma sensação de "abra os olhos agora", que obedeci imediatamente. Olhei pra cima, e ali estavam aqueles olhos familiares a me fitar. Ficamos nos olhando por uns 3 segundos, enquanto eu pensava: "O que o Bellé tá me olhando a uma hora dessas?". Foi então que reconheci aqueles olhos, e eles eram da minha avó. "Estranho, a minha avó está internada num hospital", pensei. Arrepiei, e o rosto que me fitava desapareceu. O rádio-relógio marcava, em vermelho, 03:03 da manhã. Lembrei de uma amiga que tinha uma paranóia com números repetidos e pensei no quanto ela ia achar essa história, nesse horário, muito louca. Respirei fundo e voltei a dormir.

O celular do Chapolla toca, ele atende, eu acordo, o rádio-relógio marcava 7:30 da manhã e o sol já pintava o céu de alaranjado lá fora."Ah... aconteceu... tá bom, eu falo pra ele". Eu já sabia o que ele iria me dizer. E ele disse: "Era o seu primo, ligou pra avisar que a sua avó, que estava doente, faleceu essa noite. Não ligaram antes pra deixar você dormir melhor e não atrapalhar o show de hoje, que é importante. Pediu pra você tomar um banho e depois ligar pra ele."

Levantei imediatamente e fui tomar um banho. Chorei enquanto pensava sobre a forma que terminara a história da minha avó, mas sentia alívo por sabê-la livre da dor imensa sentia nos últimos tempos. Saí do banho, liguei para o meu primo, e ele me avisou que dali a duas horas o caixão com o corpo da nossa avó sairia de São Paulo e iria pra Bandeirantes, onde ela seria sepultada e, que minha única chance de vê-la seria chegar à funerária antes que eles saíssem de viagem. Mas a funerária era incrivelmente longe e, sem dinheiro nem pro café da manhã, imagina para um taxi, me restou subir até a Avenida Paulista e pegar algum ônibus. Mas todos os ônibus chegariam depois do horário. Me restou a única escolha de não ir. Fiquei ali no Parque Mário Covas, sentado numa mesa, à sombra de uma árvore e, me lembrando de como minha avó gostava de flores, lhe dediquei uma oração de despedida e agradeci pela oportunidade e alegrias de tê-la como avó e pelo nosso último encontro, no hospital, semanas antes, ter sido bom e eu ter me despedido dela de forma amorosa.

Me lembrei, então, do fato acontecido pela madrugada, no quarto do Bellé. Mandei uma mensagem de texto pro meu primo e perguntei se ele sabia a hora que nossa avó havia falecido. Ele me respondeu que foi por volta das 3 da manhã, que ele estava ao lado dela e olhou o relógio. Um arrepio me correu o corpo novamente, mas dessa vez eu entendi que o arrepio era um abraço, e não era de adeus. Era de "eu te amo, até logo".

Estes fatos, verídicos, aconteceram há exatos 4 anos atrás, no dia 07 de Outubro de 2010, no mesmo horário em que eu publico este texto. Eles mudaram muito do que eu penso sobre a vida, a morte, as saudações e as despedidas.

Muito obrigado, vó, também te amo. Até logo.


Ps: Naquela noite vencemos a final o concurso, e o resultado você vê aqui.


segunda-feira, 6 de outubro de 2014

O Pretérito Presente no Subjetivo

Com a aproximação do dia do lançamento, apresento, oficialmente, a capa e título do meu livro :

O Pretérito Presente no Subjetivo.

Unindo a gravura "Encontro", da artista plástica May Watanabe, com a diagramação de muito bom gosto de Letícia Junqueira, resultou numa capa que remete à estética dos Composition Books (caderno de redação muito utlizado nos EUA), nos quais eu fiz e ainda faço a maior parte dos meus rascunhos, anotações e finalizações dos poemas e outros textos, que estão neste livro ou estarão nos próximos. É, digamos assim, um Composition Book mais complexo, pelo que traz em seu interior. Interior este que conta, inclusive, com um belo prefácio do Bellé Jr.


   
Capa da versão impressa.                         Capa da versão digital.


No dia seguinte ao evento de lançamento do livro, ou seja, à partir do dia 10 de Outubro de 2014, você poderá adquirir o seu exemplar aqui no blog. Fique ligado!

E vale lembrar:

Lançamento do livro O Pretérito Presente no Subjetivo
Data: 09.10.2014 (Quinta-Feira)
Local: Beco 203 (Rua Augusta, 609 - São Paulo)
Horário: à partir das 20h. Show com o Nevilton às 22h.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Detalhes oficiais do Lançamento do meu livro de Poemas!


Então aí vai mais um aperitivo do meu livro de poemas (olhem como ficou lindo!). 
E agora temos os detalhes oficiais do lançamento!



Vejam só:

Quinta Feira, dia 09 de Outubro de 2014 no Beco 203 (R. Augusta, 609 - Consolação, São Paulo)
A casa abre às 20h, e à partir desse horário até as 22h, estarei lá, para dar um abraço em cada um de vocês que estiverem por lá.

E tem mais: neste dia, a alegria será em dobro.  À partir das 22h, vai ter show com o Nevilton! Ou seja, além de estar lançando o meu primeiro livro para o mundo, é o dia que eu volto aos palcos com esse grande parceiro, encerrando esse período chato de "férias forçadas".

Gostaria muito que todos vocês estivessem lá pra gente festejar juntos. Então, não faltem.

Até quinta-feira, dia 09, pessoal!

Abraços.

quarta-feira, 1 de outubro de 2014