terça-feira, 2 de outubro de 2012

Ser ou Não Ser?


Na terça-feira passada (25 de setembro), recebi a notícia que minha banda era uma das indicadas ao XIII Grammy Latino, pelo clipe de Tempos de Maracujá. Me subiu um arrepio e, em poucos segundos toda uma história me passou pela cabeça, e eu agradeci à tudo aquilo. Foi a chancela da vida, comprovando que, apesar das dificuldades, o caminho a seguir era esse mesmo e as escolhas  feitas até agora foram corretas.

Falar sobre o quanto eu, o Nevilton ou o Chapolla ficamos felizes com a indicação ao Grammy é desnecessária. As respostas à essa indicação é que me deixaram intrigado e mais feliz ainda. Chegaram congratulações de várias pessoas, das muito próximas até pessoas que eu não conheço, ou seja, a minha felicidade se espalhou à ponto de extrapolar os meus limites e atingiu pessoas que eu nem sei quem são. E essa possibilidade de fazer pessoas que eu sequer conheço abrirem um sorriso e sentirem-se orgulhosas, me deixou mais satisfeito ainda.

Aí veio o Fábio Lonardoni, um grande amigo, parceiro de conversas filosóficas profundas sobre esse tipo de assunto, e escreve esse texto que, incrivelmente, exprime muito (ou quase tudo) do que eu pensei naqueles poucos segundos após receber a notícia da indicação ao Grammy Latino. Ficou tão bonito que resolvi guardar aqui no blog. Há muita verdade aí.

...

E quando aquele seu amigo que abriu mão do comodismo financeiro de um banco, para viver o que seu espírito pedia, superando os medos e as incertezas que o meio tanto traz, e quando este amigo é indicado ao Grammy Latino de música???

Seria este o momento da tão famosa "sorte ou milagre"? ... onde aqueles que estavam distraídos com o sistema zumbie param e alguns acabam tendo a audácia de dizer que tiveram "sorte", se mantendo no estado hipnótico que se permitiram ficar. Seria este momento?

Quando os Beatles tocaram pela primeira vez em uma TV aberta nos EUA em 1964, o mundo os conheceu e as pessoas acreditaram que o sucesso só foi possível devido aquela oportunidade... mas John e Paul, tocavam juntos desde 1957, e tocaram durante um ano e meio em um bar de Amburgo na Alemanha, show de 8 horas de duração. Foram 270 noites e até o show na TV de 64, foram 1200 apresentações de 8 horas.

O que é isso então? sucesso repentino? ... o Sucesso de Tiago 'Lobão' Inforzato, Nevilton Alencar e Éder Chapolla não nasceu agora, não está acontecendo agora, o sucesso aconteceu no dia que o Tiago resolveu enfrentar seus medos para SER, resolveu sair do comodismo junto com o Nevilton, o sucesso está em se respeitar, em se permitir viver. Este é "o segredo"... o "Grammy Latino" é só um prêmio... mas os meus parabéns serão eternos pela coragem de ser, quem realmente são.

Saudações Nevilton ... absurdamente fodásticos! rs

...

Obrigado pelas belas palavras, Fábio.


segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Maringá Além da Imaginação.


Uma noite dessas, no saudoso Apê 80, aqui na Peixoto Gomide, em São Paulo, encontrei meus grandes amigões Michel Souza e o Rafael Zanatta, que me convidaram a escrever um Conto Maringaense. Passei um bom tempo pensando em algo, até que me lembrei dessa história que ouvi já faz algum tempo. Bom... aí está, divirtam-se!


Foto: J Carlos Cecilio

Toda cidade tem suas histórias. Essa eu ouvi de um velho conhecido maringaense que, para manter a tranquilidade na vida, pediu para não ser identificado. Me disse que ouviu da boca de um dos policiais envolvidos no caso. Transcrevo-a para que não se perca.

Foi em 1996. A rodoviária de Maringá ainda era na Joubert de Carvalho, prédio um tanto sombrio e velho, mas de arquitetura interessante. Tinha um visual pretenso futurista - comum na época em que fora construído -, mas imundo e com as paredes manchadas, indelevelmente, com a terra vermelha que lhes respingaram as chuvas em seus já 33 anos de uso. Uma garota chegara de viagem, cansadíssima, com uma mala que se arrependia de ter feito tão grande. Já eram quase duas da manhã. Pegou um taxi.

O taxista, de pouca conversa, mas com um bigode impossível de não se notar, guardou a bagagem da moça no porta-malas e ambos embarcaram no traslado. Saindo da rodoviária, entraram à direita na Avenida Herval e, depois de cruzarem a Avenida Brasil, uma viatura policial começou a seguí-los. O motorista ficou apreensivo e o pouco assunto se transformou em assunto nenhum. Continuaram.

Segundos depois, a polícia soou a sirene e sinalizou com os faróis para que encostassem o carro. O taxista estacionou prontamente na esquina da Herval com a Neo Alves Martins, e estranhamente parecia aliviado.

Bateram no vidro da passageira. Era um dos policiais perguntando o que ela fazia ali, no banco de passageiros daquele taxi, e onde é que estava o motorista. Imediatamente a garota olhou pro banco do motorista e não o viu lá. Assustada e auxiliada pelo policial, saiu do carro olhando pra todos os cantos, tentando encontrar o motorista recém desaparecido, enquanto o outro policial fazia o mesmo pelas redondezas.

Sem barulho e sem que os policiais ou a garota vissem, o taxista tinha simplesmente desaparecido. E pelo jeito não era a primeira vez. Veio, pelo rádio da viatura, a confirmação de que aquele carro era o mesmo que constava no B.O. de desaparecimento, registrado três dias antes.

Com a confirmação do B.O., começou a revista pente-fino no carro. Revistaram cada centímetro para encontrar algo que explicasse aquilo tudo. Abriram o porta-malas. Susto! Aquele bigode seria reconhecido em qualquer lugar do mundo. Era o taxista. Morto. E, enfim, em paz.



O Sábado é uma ilusão.



Há alguns dias visitei a Ocupação Nelson Rodrigues, que estava rolando no Itaú Cultural, em São Paulo, aqui na Avenida Paulista. Obviamente inspiradora. Usar trechos entrevistas e textos do próprio Nelson para montar sua biografia foi uma idéia genial. Assim você conhece o autor pelas suas próprias palavras e experiências. A cenografia também era muito interessante: uma mesa de jantar, com todos da família representados ali, em meio a telas com fotos e entrevistas; Duas escrivaninhas com máquinas de escrever, lembrando a redação de um jornal... tudo isso cercado por sons, vezes de mar, vezes do datilografar de uma máquina de escrever.

Passei duas horas lá. Duas horas imerso numa das maiores mentes da história cultural do Brasil. Levei bronca e puxão de orelha do Nelsão. Aí apareceu essa história, palavras dele (não ipsis litteris, minha memória não é tão boa assim) :

"Eu era bem jovem ainda, uma criança. Minha mãe estava conversando com o jardineiro sobre os dias que ele viria cuidar das plantas. 'Você vem dia tal, dia tal... e vem também no sábado...' . Aí o jardineiro respondeu, meio pra si mesmo 'Sábado é uma ilusão'. E eu ali do lado, pequeno, ouvi e me espantei, fiquei muito intrigado sobre o por quê do sábado ser uma ilusão. Por vários dias eu especulava o jardineiro e tentava descobrir o que ele quiz dizer com aquilo. Repetia 'é... Sábado é uma ilusão..." pra ver se ele ouvia e ele nem sequer notava, ignorava ser autor de tão poderosa frase.

Eu também entendo e sinto essa frase como uma das maiores verdades da vida, incontestável. Afinal, adjetivar algo como ilusório já dá algum poder ao dito, ilusão é uma palavra poderosa, dramática. Então, vamos ver se funciona com qualquer dia: Terça-feira é uma ilusão, não convence; Domingo é uma ilusão, soa vazio; Quarta-feira é uma ilusão, sequer provoca coceira. Mas o Sábado ilusório do Jardineiro dos Rodrigues, mesmo que eu não saiba ou consiga chegar a uma explicação, é real, quase palpável. Sinto-o profundamente verdadeiro.

O sábado é uma ilusão, não sei o por quê, mas sei que é. E isso mexe com meus brios.



domingo, 29 de julho de 2012

Opinar é desafiar-se.





E com essas palavras inspiradoras - meio benção, meio bronca - de Nelson Rodrigues, reabrimos os trabalhos deste blog.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Minha participação no Reversos : Musicando Poesia


Então estava eu, pelas tardes internauticas, até que me veio o Jr. Bellé com o convite para que a banda participasse do projeto que o site Nego Dito estava tramando, o Reversos - Musicando Poesia. Explicou o projeto, que é lindo e mandou 4 poemas, para escolhermos uma. No meio do processo de escolha veio a idéia : "Por eu não faço uma e o Nevilton outra?". E assim foi feito. Nevilton ficou com a "Domingo" do Geovani Baffo; e eu - depois de muita luta com outra música que não saiu - fiquei com "Por La Calle", do Canek Guevara (poema que até então se chamava Canek 3).

Musicar um poema naquelas alturas do campeonato me pareceu um grande desafio, já que fazia meses que não criava música. E somando o gabarito do poeta, a responsabilidade era grande. Em tempo, Canek Sánches Guevara é um poeta Cubano, neto do revolucionário Chê (veja aqui uma entrevista dele para o Nego Dito).


Inspirado nas baladas roqueiras 'pero con latinidad' do Pescado Rabioso e do Sui Generis (afinal, eu tinha que copiar o sotaque de alguém além do Google Translator!), optei por não usar o contrabaixo, meu instrumento oficial, e usar instrumentos extra-oficiais: piano, violão e voz. Demorou... e demorou... (o Bellé tá aí pra confirmar), mas saiu! Saiu esse meu singelo projeto de "Jenny Wren" (do McCartney), com balada argentina. Interessante é que toda vez quando ouço, a melodia vocal me lembra "Please, Please, Please, Let Me Guet What I Want", do Smiths (sabe-se lá por quê). 

E aí está ela, divirtam-se.

Por La Calle (Canek Guevara / Tiago Lobão)


...


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Inverno e Verão


Namoro de inverno é diferente do de verão.
No verão você usa biquini,
no inverno você usa roupão.

(sobre as diferenças do namoro de inverno e o de verão)

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Tempos de Maracujá : O Clipe

E lançou, minha gente!!!



Foram dois anos de trabalho. Dois rápidos anos desde que fomos apresentados ao Oda, pela minha prima Estela, que trabalha junto com ele na DM9DDB. Esse cara incrivelmente genial e criativo não imaginava que ia encontrar músicos inconseqüentes, que iriam ficar de queixo caído com a idéia de clipe que ele tinha, a ponto de aceitarem o desafio. Eu acho que posso até rever em minha mente o momento exato em que ele pensou : "Estamos perdidos!" (que ele diz no texto A Matemática do Maracujá), mas manteve a cara de pessoa calma e que sabe o que está fazendo. Obviamente a gente acreditou na cara do cara... e estávamos certos! Realizamos.

Do desenvolvimento das primeiras idéias, casting, figurino, cenário até a gravação final, feita em dois dias bem cansativos (31 de março e 1º de Abril de 2012) no estúdio de fotografia da DM9DDB, tivemos vários encontros e muita conversa. Foi difícil concatenar a agenda de todos os envolvidos para aos ensaios, e a agenda da banda foi uma grande vilã nessa hora. Foi um tempo de muitos shows e turnês, que nos tiravam de São Paulo semanalmente. Então focamos na confecção do cenário, figurino, coreografia e o que mais não viajava pra fazer shows! A equipe foi aumentando e chegou a 28 pessoas envolvidas diretamente - e mais algumas indiretamente - no projeto.

Não tem como negar que deu bastante trabalho. E como sempre, o que dá bastante trabalho é sempre mais gostoso e valioso. Assim como as pessoas que participam desse trabalho também se tornam pessoas valiosas. E é como ficaram no meu coração todas as pessoas com as quais tive o prazer e honra de trabalhar nesse projeto, pessoas de valor inestimável, que adoraria reencontrar pra trabalhar ou, simplesmente, trocar boas idéias em outras situações futuras.

Então é isso, criamos um belo de um videoclipe! Fiquei muito satisfeito e feliz com o resultado. Agradeço agora e pra sempre todos que investiram seu tempo e saúde (e haja saúde!) pra dar vida a esse nosso projeto,  que acabou virando o projeto de todos.

E o bom é que esse clipe é daqueles de se assistir várias vezes, pois acontece tanta coisa ao mesmo tempo, que sempre vai ter algo que você não viu na vez anterior. Vai demorar pra enjoar! Vai dar tempo de pensarmos num próximo, heim Oda!

E que vocês, nossos fãs e amigos também tenham gostado do resultado.

Muito Obrigado.

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Tempos de Maracujá, em Breve nosso novo clipe!


Tá tudo pronto! Clipe gravado, editado, finalizado e tudo mais. 

Agora a gente espera para o dia de lançamento que será nesta quinta-feira, 26, no site da MTV Brasil e vários outros blogs mundo afora!!!



UA HÁ HÁ HÁ HÁ 

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Semi-nu... Pra Simplificar.



Noite dessas fui filar janta na casa da Letz, da Maira, da Brigati, do Dudu e da Sho; a famosa República do Pantanal, instalada com muito conforto e galhardia em Santa Cecília, São Paulo.

Me falaram que tinham um projeto dum Tumblr, com fotos de amigos sem camisa e colar de pérolas. Hum... é? Janta vai, vinho vem, cerveja vai, papo vem... posei! Semi-nu, com um colar de pérolas e baton vermelhão. As garotas disseram que ficou super sensual. Então eu acredito. Até por que eu também achei que ficou legal.

Mas, legal mesmo, foi ficar manchando o copo com baton o resto da noite!


"Tiago Inforzato, Lobão, Lobs, Neviltons, o advogado baixista escritor. Nos visitou, trouxe um belo de um vinho, nos divertiu e ainda posou. sucesso."

segunda-feira, 19 de março de 2012