quinta-feira, 29 de abril de 2010

2ª Tour Fora do Eixo : Nordeste [Capítulo VII]

Salvador, Bahia.



Acordei por último e atrasado no dia 20 de Abril. Corri pro chuveiro, tomei um banho rápido, fechei as malas correndo e fui até a van, onde todos já estavam. Depois do café da manhã lá na Rua da Cultura, partimos rumando pra Salvador, capital da Bahia. E foi aí que percebi que havia esquecido a roupa que usei no show secando no varal...tsk tsk tsk, já estava economizando na roupa, imagina agora com um kit a menos!

Como a noite de sono foi curta, já que saímos de Aracaju bem cedinho, pesquei de montão, foram muitos peixes, baleias, dinossauros marinhos e outros seres aquáticos enquanto sentado na van. Mas mesmo assim pude ver uma mudança radical na paisagem.

Enquanto viajávamos para o sul, pela Zona da Mata Nordestina, através da estrada chamada Linha Verde, pude ver a aparição de planaltos ao longe, com seus patamares achatados no horizonte, a vegetação foi se esverdeando cada vez mais e tudo o que eu havia sintetizado até então sobre a paisagem nordestina mudou novamente. Juro que tentei achar o nome desse acidente geográfico, mas não achei. Quem souber, por favor, comente! Obrigado.

Uma coisa que não posso deixar de registrar é a dose de cachaça - leia-se meio copo americano pra cada sujeito animado - que tomei com o Sadí, provavelmente no município de Esplanada, já na Bahia, às margens do Rio Inhambupe, num botequinho que nem vento tinha por perto. Depois disso segui a viagem numa 'nice'!

Outro fato interessante da Linha Verde é que ela passa pela vila de pescadores chamada Mangue Seco, a mesma que inspirou Jorge Amado ao escrever o romance Tieta do Agreste. Mas não consegui ver a mitolgógica Mangue Seco, pois já estava completamente desmaiado de sono naquela altura do campeonato, ainda mais depois duma pinguinha, né Sadí?!

E fomos chegando a Salvador por perto das 16h e eu ansioso pra ver a tão famosa capital Baiana. Primeiro fomos recepcionados pela Cassia, em sua casa numa cidade da região metropolitana de Salvador, chamada Lauro de Freitas. A casa muito grande e aconchegante. Muitas árvores no quintal, uma piscina e isso tudo proporcionando um clima mais fresco do que estava na rua, mesmo estando o dia um tanto nublado.

Cuidamos dos afazeres da internet, jantamos (hummm tinha um pirão que tava uma delícia!), tomamos um drink de limão saborosíssimo - mesmo estando mais pra raspadinha do que pra drink - e nos arrumarmos para o show. Partimos para o centro de Salvador, onde tocaríamos no Bar Boomerangue, muito bem localizado, na Rua da Paciência, bairro Rio Vermelho, à beira mar. O Rio Vermelho é cheio de histórias interessantes, além de ser onde acontece a maior festa de Yemanjá de Salvador (foi o que me disse a segurança do bar, quando perguntei sobre o bairro). Confirmei a história aqui. Sem contar que ha uns dois quarteirões do bar existe uma feira cheia de comidinhas, numa praça, que vale a visita.

Antes de nos deixar no Boomerangue, fomos levados até o Forte Santo Antônio da Barra, onde está o famoso Farol da Barra, que fica na entrada da também muy falada "Baía de Todos os Santos". Foi tão rápido que só deu tempo de tirar umas 3 fotos e correr de volta pro bar. Além do que estava de noite, não possibilitando uma visão das águas da baía ou do resto da paisagem. Quase que o cara do Berimbau que foi lá azucrinar, sem ser chamado ou encorajado, não ganha um dinheiro. Mas ganhou e... saiu reclamando! Onde já se viu, né Brasil?!

Chegamos no Boomerangue, casa bonita e bem feitinha, com 3 ambientes, um em cada andar do prédio: Uma sacadinha pra fumante no térreo, um andar para o DJ e outro andar para bandas). Passamos o som, montamos o palco e a festa já estava começando. E a surpresa feliz da noite foi reencontrar o Anderson Faller, a Carol e o Felipe, todos Umuaramenses queridos que moram lá em Salvador. É revigorante encontrar os amigos pelo Brasil!

Você me Excita - banda de Salvador - subiu ao palco, tocou algumas canções próprias e outras do estilo Block Party e The Killers. O Mini Box, como segunda banda da noite, fez um show que não vou me esquecer. Cheguei a pensar: "Mano! Essa noite é deles, tão pegando fogo!". Rolou uma química com o público que fiquei impressionado. Foi bonito de ver.

Finalmente subimos ao palco e mandamos brasa! Ser a última banda da noite tem seus prós e contras. É bom porque se pode esticar o repertório e aumentar os solos e improvisos, mas é ruim porque ou você segura no alcoólico ou sobe no palco mais alcoolizado do que deveria. Ainda bem que não tivemos problemas graves quanto a isso, o show fluiu muito bem e foi porreta (com meus deslizes vocálicos e tudo), mas foi porreta! Terminamos, como já era regra, exaustos e desidratados.

Depois de despedir dos amigos recém feitos e dos antigos, que por lá estavam sorridentes e satisfeitos (palavra deles mesmos), guardamos os equipamentos e partimos pra dormir na casa da Cassia, afinal, como sempre, sairíamos de viagem antes do almoço.

Passamos por 5 cidades com praia pela Turnê, Salvador foi a última, as só conseguimos pular as ondas em duas delas: João Pessoa e Maceió, tá aí algo a se otimizar na próxima viagem. Feira de Santana, a próxima cidade já estava pro interior da Bahia.

Durante a volta pra Lauro de Freitas fui observando a cidade e pensando o quão bonito seria aquilo tudo durante o dia. Também tentei abstrair o quão gostoso deve ser o Acarajé da Dinha, que fica ali pertinho do Boomerangue, sacanagem eu não estar com fome quando passei à pé na frente do lugar, enquanto procurar um cartão telefônico com o Chapolla.

No fim das contas, sempre sobra motivos pra gente voltar outras várias vezes pra esses lugares legais. Então, até a próxima Salvador!

Aproveitem e assistam AQUI o vídeo lindão sobre Salvador que o Marco fez pra gente!

3 comentários:

Mell-O-Dramático disse...

eu aaaamo o modo como escreve!

Tiago Inforzato disse...

Poxa, obrigado mesmo!
Vou tentar não desmerecer o elogio.
Volte sempre.
:)

Hugo Bortolon disse...

Bode véiooo.. tamo votando no máximo!!!
Abraço!
Hugo Bortolon