sexta-feira, 25 de maio de 2007

A Distância

25 de maio de 2007, por volta das nove da manhã, após passar a noite no quarto 32 do Alta Cienega Motel, West Hollywood, California. Aqui escrevi esse post e terminei a poesia que nele está.
Morador ilustre do local de 1968 a 1970: Jim Morrison.


O que separa um ponto do outro? Fisicamente falando é o espaço entre eles, conhecido como distância. Esse espaço gera diversos efeitos colaterais, o mais conhecido é a saudade.

Entretanto, além da saudade, temos outro efeito colateral, que é a total falta de controle que se tem de interagir com a extremidade oposta do plano em questão. Aplicando essa teoria nos fatos que me aconteceram a pouco, fica mais fácil de compreender.

Estou longe, longe de tudo o que me era (e ainda é) querido. E se um desses bens distantes deixasse de existir, sem meu ultimo olhar, palavra ou manifestação? E foi o que, tristemente, me aconteceu: Tia Lourdes faleceu nesse dia 21, fulminante, rapidamente, não sofreu. Não nos despedimos e não vamos nos falar mais em momento algum dessa vida.

Lourdes agora é memória, assim como tudo o que deixa de existir. Isso pode nos levar a divagações sobre "o que realmente é existir" ou sobre os conceitos de "realidade" e "irrealidade" ou até mesmo sobre "imortalidade". Mas não é ali onde quero chegar.

Poderia falar sobre a pessoa de minha tia e a falta que uma pessoa pode fazer no mundo (o que é bem óbvio). Gostaria apenas enfatizar o quanto a decisão de ficar distante tem um peso absurdo na vida de todos. Nesse caso o "distanciar-se" pode ser entendido num sentido maior do que o apenas físico. A pessoa que se encerra em si e não se comunica, a pessoa que se comunica pela metade, a pessoa que esquece de se expressar, estão tão distantes do mundo e dos entes queridos quanto pessoas em lados opostos do globo.

Assim como eu, todos pagam o preço da distância, mas o valor a ser pago só se sabe depois que se decide. Se vale a pena ou não, depende de como se honra a escolha. Entretanto sei que a falibilidade e delicadeza da vida nos permite aceitar esse preço, pois no fim das contas, todos fomos feitos para partir. Orbitamos em torno de algo que se chama vida e a todo momento nos aproximamos e nos distanciamos, num bailar constante e inevitável, conforme nossos "sins" e "nãos". Somos como os planetas e estrelas ao redor do sol.

Enfim, partir requer coragem para dar o primeiro passo, perseverança para continuar a andar e estômago para regressar e enfrentar o que ficou. Quem compra a briga?

Deixo para vocês dois poemas: Um do meu guru Vinicius de Moraes que, definitivamente me sossega a alma e me ensina muito, e um outro meu, dedicado à minha falecida tia.

Que isso ilumine quem precisa de luz e entretenha quem precisa de entretenimento.

Eternamente lobservando.

Abraços.

Poema de Natal

por Vinicius de Moraes

Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos –
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.

Assim será a nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos –
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.

Não há muito que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez, de amor
Uma prece por quem se vai –
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.

Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte –
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.



Poema em Memória de Maria de Lourdes Fonseca

"Professora, mãe, avó e minha tia, falecida em 21 de maio de 2007.

Quase noite aqui no norte
E por telefone recebo a notícia:
"Nesta tarde veio a morte
e nos levou a tia benquista"

Restou-me apenas recordar
e dedicar-lhe uma oração.
E por sempre incentivá-los
deixo um poema, de coração.

Lembro-me do andar vagaroso e cauto,
das conversas sobre o mundo,
de como o ser humano pode voar alto
ou provar do poço o fundo.

Lembro da infância, tão contente,
várias visitas pelo ano.
Também dos anões no jardim da frente,
e na sala o tapete fofo e o piano.

Exercia o sagrado ofício:
lecionava Geografia.
Professora no colégio
e mestre por todo o dia.

E naquela noite fria,
deixou seu exemplo como legado.
Foi uma honra tê-la na família
Espero que também tenha gostado.

Hollywood, 24 de maio de 2007.

Link para meus outros poemas.

2 comentários:

Nevilton disse...

c´est la vie, mon ami...
ai vão mais algumas palavras que também confortam...
e que nosso amigo Rodrigo Lemos acrescentou a seu legado de obras que vem iluminando o mundo:

"Tudo de novo
Há de vir um tempo pra todos
E quando o seu chegar,
Pra certificar,
Vai lá...
Vai.
Vai lá.
Vai.
Levante a sua mão,
Aponte o lugar
Onde você quer chegar.
Tudo de novo
Se a felicidade é um engodo,
Nós vamos resistir
Coragem é um dom
Vai lá...
Vai.
Vai lá.
Vai.
Levante a sua mão,
Aponte o lugar
Onde você quer chegar.
E se algum sonho for nos converter
Em personagens reais,
Eu sei que um dia irei agradecer.
Por hora, não sei mais..."

erika_sirashigue disse...

adorei as fotos lindo!
agora o conteudo... soh passei o olho por cima...rsrs....qdo puder leio tudo
bjao